Cachorros de Bikini

Não é um blog sobre cachorros e bikinis

Mês: junho 2015 (Página 1 de 2)

Contos de Segunda #4

Em uma estrela distante orbitava o planeta Pix221. Nesse planeta habitava Radrax, um jovem que sofria com um problema que ninguém em seu planeta conseguia explicar. De tempos em tempos Radrax ficava mau humorado, não tinha paciência e apresentava níveis de preguiça incompatíveis com os demais indivíduos de sua raça.

A família de Radrax era pioneira na exploração espacial. Por gerações eles foram por todos os pontos da galáxia mapeando os sistemas e registrando os planetas. Porém as variações de humor de Radrax não inspiravam confiança aos seus superiores do programa espacial. A continuidade do legado de sua família estava em jogo. Ele começou a investigar.

Pelo que ele podia lembrar tudo isso começou quando seu pai retornou de uma longa viagem de exploração. Foram sete anos. Na volta ele foi presenteado com um pequeno tubo metálico preso em uma corrente, levava a corrente no pescoço desde então. Segundo o pai lhe dissera, aquela era uma lembrança do dia em que ele havia chegado no ultimo planeta que visitara. A tradição dizia que o conteúdo só podia ser revelado quando quem recebeu o presente deixasse Pix221 pela primeira vez. Mas a tradição deveria ser deixada de lado.No interior do tubo havia uma folha de papel. Nessa folha havia algo escrito num idioma e um valor representado no sistema numérico alienígena. Segundo seu pai, aquela era a representação do dia de sua chegada segundo os padrões de registro dos habitantes daquele planeta. Aquilo devia ter algum significado.

Nos dados divulgados sobre a missão não havia nada que pudesse ser relacionado, mas nos diários da missão havia uma observação bastante curiosa.Nos registros da missão seu pai relatou que os seres inteligentes daquele planeta eram afetados pelos marcos utilizados para registrar a passagem do tempo. Algo mexia com eles deixando-os irritados, preguiçosos e impacientes, mas em outros momentos eles se mostravam eufóricos, bem humorados e dispostos. O conteúdo do tubo era um marco cronológico. De alguma forma ele estava afetando Radrax e só havia uma forma de remediar isso.

Ele pegou uma nave. Definiu o curso para o terceiro planeta mais próximo de uma estrela distante e avisou para seus superiores que só voltaria para Pix221 depois de devolver aquele maldito papel para seu lugar de origem e retornar com um marco cronológico chamado “Sexta-feira”.

São João

Essa semana foi comemorado o dia de São João. Eu não sou devoto de santo nenhum, também não sou uma pessoa que gosta de festa, mas ainda assim o São João é uma das minhas datas preferidas do calendário.

Não sei se eu já comentei por aqui, mas eu moro em Pernambuco, e por aqui tem duas festas que são levadas muito a sério: o Carnaval e o São João. Como não tá na época o papo sobre o Carnaval vai ficar pra uma próxima vez, voltemos ao tema de hoje. Por aqui 24 de Junho é feriado, tem festa praticamente o mês todo no interior e toca forró ininterruptamente durante 30 dias. Mas não é nada disso que me faz gostar do São João. O que realmente mexe com meu coração acontece no dia anterior. O dia 23 é o dia que vale.

Não sei se todo mundo sabe, mas é na véspera dos dias dos 3 santos juninos que são acesas as fogueiras, e é São João que ganha no quesito numero de fogueiras acesas.  Durante mais de 20 anos da minha vida eu vi meu avô fazer fogueira na véspera de São João e na véspera de São Pedro, como todos os Pedros das antigas faziam. Durante esse mesmo tempo eu vi minha mãe e minha avó produzirem maravilhas da culinária junina, inclusive a pamonha que minha mãe faz é bem apreciada pelos demais familiares, apesar da minha preferência ser do pé-de-moleque. Mas isso ainda não é o que eu gosto mesmo do São João. Pra mim São João tem gosto de infância.

Dia 23 tem gosto de soltar bomba debaixo de lata de leite, de ficar surdo com o som dos foguetes subindo, de olhar pro céu pra ver rojão estourar e ter um susto violento com o pipoco de um espirro de bode. Tem gosto de acender fogueira pontualmente às 6 da tarde, de assar milho e salsichão na brasa. De responder satisfeito com um “Sim” quando meu avô perguntava “Pegou a fogueira?”.

Esse ano o São João foi meio mirrado. Como meu avô arengou com o cara que vendia lenha, esse ano não teve fogueira. Pouca gente da família apareceu e choveu tanto que foi impossível soltar os fogos de artifício. Mesmo assim a chuva não tirou do ar o cheiro da pólvora e da fumaça. O bolo de milho ainda tinha um gosto espetacular e ainda tive uns 2 sustos por causa das bombas. Dia 23 ainda teve gosto de São João, e enquanto tiver sempre vai ser uma data boa pra mim.

Nove

Nove.

Sempre achei um número bonito. Sempre olhei pra ele como uma forma crescida do 3, numero que eu particularmente gosto bastante.

O nove é o número do quase. Mas é o melhor tipo de quase: o quase perfeito. Nove é quase dez. Todos os campeões perseguem a nota perfeita, mas a esmagadora maioria acaba levantando o troféu ou garantindo a medalha por que chegou perto, não ganhou um dez, mas o nove foi mais do que o suficiente. Mas qual o motivo pra essa introdução aparentemente sem sentido?

Outro dia parei e contei os textos escritos para este projeto. Ao fim da ligeira contagem, mais ligeira do que eu gostaria, diga-se de passagem, soube que eles eram nove. Gostei tanto do número que me senti na obrigação de escolher com cuidado o tema do meu décimo texto… Infelizmente minha cabeça não trabalha de uma forma muito ordenada. Não consegui pensar em outra coisa que não fosse falar sobre o fato de ter escrito nove textos até então.

Quando eu comecei era só uma ideia, uma tentativa, um “se colar, colou”. Mas aqui estou eu, nove textos depois, querendo escrever cada vez mais. Quando comecei a escrever este texto achava que nove era muita coisa, mas alguns parágrafos depois já acho que é só o começo.

Ainda tem muita trivialidade pra ser dita, muitas teorias sem fundamento pra discutir e tudo que eu fiz foi escrever nove textos, dá pro Lula contar nos dedos sem recorrer ao auxilio dos pés. Talvez eu ainda precise de mais nove, mais dezenove ou mais noventa e nove até que eu esgote todas as inutilidades que tenho na cabeça. Espero que quando acabarem eu consiga arrumar mais algumas, não muitas, o suficiente pra escrever mais uns nove ou noventa e nove textos.

Contos de Segunda #3

Aluísio tinha uma relação muito particular com a Segunda-feira. Praticamente todas as coisas relevantes da sua vida aconteciam no primeiro dia útil da semana. Todas elas.

Nasceu em uma segunda-feira dia 02 de fevereiro, no segundo ano de mandato do presidente na época, coincidentemente o segundo ano da década. Numa segunda aprendeu a falar, em outra a andar. Nos tempos que jogava futsal na escola sempre se destacava, caso o jogo acontecesse em uma segunda. Sempre se destacou nas provas, caso o resultado das mesmas fosse divulgado no começo da semana. O mesmo ocorreu quando ele passou no vestibular, na segunda vez. Ele também conheceu Amélia numa segunda.

Amélia e Aluísio se conheceram, começara a namorar e ficaram noivos em três segundas bem distintas. E apesar de todas essas coincidências eles tentaram se casar em um domingo. Mal sabiam eles que não conseguiriam.

Ao marcar a data o detalhe do dia da semana passou despercebido. Na verdade só quando Aluísio acordou naquele domingo percebeu o tamanho do problema. Ele deveria ter marcado o casamento na sexta ou no sábado. O domingo estava tão perigosamente perto da segunda que ele já estava conformado com o insucesso da cerimônia. Como preocupar a noiva só anteciparia o desastre, nada em relação ao problema do calendário foi informado.

A cerimônia estava marcada para as 16 horas. A noiva entrou na igreja às 17. Essa hora de atraso acabou fazendo com que o padre tivesse uma reação alérgica devido ao tempo exposto às flores no altar. Enquanto ele era socorrido um ex-namorado de uma das madrinhas, inconformado com a separação, entrou armado na igreja e fez os convidados de refém. A polícia conseguiu prender o ex-namorado após algumas horas de negociação, mas todos os convidados precisaram prestar depoimento sobre o fato ocorrido. Tudo isso fez com que a mãe da noiva tivesse uma forte crise de ansiedade, o que deixou a noiva psicologicamente incapacitada por mais de uma hora. Mais ou menos na hora que o padre voltou do hospital. Mas o pobre sacerdote voltara praticamente sem voz. Por sorte ele e os noivos sabiam falar em linguagem de sinais,  mas faltou luz antes da cerimônia poder ser iniciada.

Quando o relógio bateu meia-noite a luz voltou, o ultimo convidado concluiu seu depoimento, a voz do padre voltou e os nervos da noiva se recuperaram. Afinal, era segunda e as coisas importantes da vida só aconteciam junto com ela, pelo menos com Aluísio era sempre assim.

Mandamentos de um Adulto Feliz

Outro dia passeando por um site de notícias me deparei com um link bem interessante: “Os 9 Mandamentos de um Adulto Feliz”. Prontamente cliquei no link, não por ser um adulto infeliz, mas eu queria saber quais eram os tais mandamentos. Fui bater num daqueles sites que falam de moda, life style, e todas essas coisas que estão tão inseridas na minha vida quanto a migração das baleias jubarte. Mas como eu li a postagem antes de perceber qual era a do site consegui ler o texto sem preconceitos.

Antes de continuar recomendo que leia o texto nesse link aqui. Só pra nivelar o papo, mas se essa não for a sua vontade, caro leitor, não vai ter prejuízo algum. Agora voltemos ao tema.

Particularmente eu gostei dos mandamentos. O texto é bem escrito e alguns dos mandamentos são relacionados com filmes, o que ajuda a justificar o ponto da autora. Mas uma coisa me veio à mente quando terminei de ler: eu li esse texto por que eu sou um adulto.

Quando a maior parte da sua vida é composta por infância e adolescência não é tão fácil se imaginar como um ser humano adulto. Eu devo ter começado a me ver como tal lá nos meus 20 anos, quando eu comecei o meu estágio. De fato a vida profissional é a forja da vida adulta, tanto é que ao longo da história da humanidade os adultos se tornaram adultos cada vez mais tarde conforme o tempo passava, com isso foram aparecendo cada vez mais períodos de transição. Adolescência não existia até um dia desses e o termo Jovens Adultos já começa a aparecer. Como eu nunca consegui me sentir mais velho do que eu de fato era, imediatamente me enquadrei como um jovem adulto. Por que pra mim um jovem adulto é uma espécie de Pinóquio. Ele só quer ser um adulto de verdade.

Pode parecer exagero, mas ao atingir a maior idade nos tornamos adultos… só que não. Continuando com a analogia do Pinóquio podemos comparar o nosso aniversário de 18 anos com a noite em que o Pinóquio ganha vida.  Ele fica lá todo serelepe por que ficou vivo, que não tem mais cordões nele (sim, eu sei desse lance dos cordões por que assisti Vingadores, não por lembrar do filme do Pinóquio). Mas ele começa a notar que ser um boneco não é suficiente. Então ele corre atrás pra tentar virar um ser vivo de verdade.

Eu nunca fiz questão de correr atrás de coisa alguma pra virar um adulto de verdade, eu estava muito ocupado tentando me acostumar a ser um um adulto de madeira, talvez por isso eu fiquei tão surpreso com meus próprios pensamentos quando terminei o texto dos 9 mandamentos. Durante todo esse tempo eu devia estar tão distraído com o fato de ser um boneco que ganhou vida que não notei que estava me transformando em um menino de verdade. Tanto é que quando eu finalmente comecei a perceber eu já era de carne e osso.

Por não me enxergar como adulto nunca havia parado pra pensar em ser um adulto feliz. Por não ter alimentado meus momentos de infelicidade nunca havia parado pra pensar na felicidade como um objetivo de vida. E talvez por isso eu tenha gostado tanto do ultimo mandamento: crie seus próprios mandamentos. Como eu não poderia deixar de exercitar minha criatividade aqui vai um mandamento meu:

Não persiga a felicidade como se ela fosse a coisa mais importante, não transforme satisfação em obrigação. Deixe pra lá o que te faz infeliz, o que te faz feliz aparece por consequência.

Voz

Uma amiga veio falar comigo dizendo que achou um texto perdido dentro do computador dela e achava que o texto era meu. De fato era meu, tratava-se da primeira versão deste texto aqui. Segundo ela, parecia com as coisas que eu escrevia antigamente, antes de eu moldar a minha voz. Essa afirmação me fez refletir um pouco e achei que valia a pena escrever sobre isso.

Em 2011, quando o texto em questão foi escrito, eu tinha algumas aspirações enquanto escritor semi-amador. Uma dessas aspirações era ter meu próprio estilo. Algo nas minhas linhas que fosse uma espécie de impressão digital. Hoje quase posso dizer que consegui fazer isso, mas não foi pra falar de escrita que eu puxei essa conversa.

Fico pensando se em algum momento tive essa aspiração para minha vida. Se em algum momento eu desejei que a minha singularidade enquanto ser humano fosse não só reconhecida, mas reconhecível. Que nenhuma outra pessoa fosse ouvida através da minha voz. Provavelmente sim, mas não sei se isso é um desejo de todos.

Nos tempos de hoje, onde todos podem falar e ser ouvidos, o que eu mais vejo são palavras repetidas. A maioria parece ter mais vontade de engrossar o coro do que se fazer ouvir. Imagino se ainda existem pessoas que aspiram ter uma voz só sua. Pessoas que querem ser ouvidas em meio a unidade sonora da turba que nos cerca, tendo ou não algo pra dizer. Seres que podem não ser 100% originais, mas que de fato são 100% singulares mesmo dentro de sua falta de autenticidade. Talvez seja por isso que muita gente fica famosa aparentemente sem motivo, apenas por terem suas singularidades reconhecidas e admiradas. Eu sinceramente espero ver um pouco mais disso por aí, pessoas que conseguem falar com sua própria voz, mesmo sabendo que isso está ficando cada vez mais difícil. Já que as pessoas parecem querer ser qualquer coisa hoje em dia, menos elas mesmas.

Contos de Segunda #2

“É segunda-feira, mas não é o fim do mundo”, era isso que Maurício sempre falava pra si mesmo toda segunda de manhã antes de sair pra trabalhar. Até que de fato o mundo acabou. Segunda passada foi o início do fim dos tempos, e depois de uma sequência inacreditável de hecatombes como desastres naturais, guerras nucleares, infestações de zumbis, epidemias de super bactérias, colapso social e ondas de barbárie o mundo acabou.. Se Deus queria dar um fim pro mundo ele estava realmente apressado. Muito provavelmente por um motivo bastante simples: o primeiro dia depois do fim do mundo precisava ser uma segunda-feira.

Naquela manhã Mauricio se levantou pensando no que iria fazer. Se tem alguma coisa que te deixa sem muitas opções ela perde feio pro fim do mundo nesse quesito. Estava rolando um boato na vizinhança de que algumas pessoas estavam se organizando no centro da cidade. Doze quilômetros a pé por dentro de uma antiga área ocupada por zumbis. Atualmente só os arruaceiros matadores de zumbi viviam por lá, mas os zumbis estavam extintos e a maioria dos arruaceiros não queria mais fazer arruaça. A área ainda mostrava as consequências dos tempos  áureos em que o problema dos zumbis estava em alta, na terça-feira passada. Na falta do que fazer ir para o centro parecia ser a melhor opção

O caminho pro centro na manhã do primeiro dia útil da semana continuava tão ruim quanto era no mundo que acabou. As pontes que ligavam o centro às outras partes da cidade estavam com a estrutura comprometida por isso todos que precisavam atravessá-las faziam isso devagar e em pequenos grupos. Isso deixou o caminho pela ponte bem “congestionado”, juntamente com o protesto de religiosos enfurecidos de um movimento que reivindicava o direito de ir para o paraíso antes ou durante o fim do mundo.

Ao chegar no centro ele encontrou com uma movimentação meio acelerada de pessoas nas ruas. Algumas carregavam sacos com alimentos, outros com pedaços de escombros que ainda tinham alguma serventia eram acompanhados por pessoas com ferramentas. Não demorou muito para que ele fosse notado por alguém que estava organizando os trabalhos. Ele disse:

Procurando por trabalho? É só passar no Departamento Pessoal, lá eles encontram uma coisa pra você fazer.

Naquele momento Maurício precisou se conformar com o fato de que apesar do fim do mundo a segunda-feira continuava a mesma coisa. Enquanto esperava para ser atendido pelo Departamento Pessoal olhou ao redor, respirou fundo e pensou.

“Podia ser bem pior. É segunda-feira, mas não é o fim do mundo, isso foi na segunda-feira passada”.

Dia dos Namorados

12 de Junho. Também conhecido no Brasil como véspera do dia de Santo Antônio e Dia dos Namorados. Por uma coincidência em 2015 essa data tão festiva caiu numa sexta-feira, se caísse em outro dia eu ia falar dele mesmo assim por isso não podia deixar a oportunidade de discorrer sobre.

Eu nunca fui muito fã do Dia dos Namorados. Quando eu era mais novo não gostava pelo simples fato de sempre passar o 12/06 desacompanhado, motivo que eu considero até justo, mas que na prática é bem besta, tanto é que isso foi mudando com o tempo. Hoje em dia eu não gosto do Dia dos Namorados por causa do circo que armam em cima dessa data.

Imagino que em algum momento da história o dia 12 de Junho tenha sido um dia mais singelo, onde as demonstrações de carinho e afeição entre os namorados eram menos extravagantes e escancaradas. Não vou bater na tecla de que esse dia se transformou em uma data puramente comercial, não é novidade pra ninguém que no ritmo que as coisas vão logo logo o Dia da Árvore vai ser uma data importante pro comércio. Meu problema com o Dia dos Namorados vem justamente do fato de tudo ter se tornado público.

Com o advento das redes sociais tudo se tornou público. Uma quantidade incalculável de pessoas criou o hábito de colocar suas vidas na internet pra todo mundo ver, levando em consideração que os namoros fazem parte das vidas das pessoas não é de se estranhar o que acontece todos os anos. O romantismo em si não é um problema pra mim, o que realmente me incomoda é a facebookização do Dia dos Namorados.

Antes de continuar devo fazer um adendo. Se você, caro leitor enamorado (ou não), é uma pessoa que faz declarações de amor sinceras e verdadeiras na internet não deve se importar com o que eu vou dizer agora, não é sobre você que eu estou falando. Voltemos ao raciocínio.

Uma vez meu irmão me disse que quando uma empresa não tem um produto que pode ser vendido atravéz de propaganda ela faz propaganda pra se vender como empresa. Hoje a cria do nosso amigo Zuckerberg é praticamente um acervo de propaganda. As pessoas fazem propagandas de suas vidas, se vendendo como pessoas, e isso todo mundo tá cansado de ouvir, porém tomando como base esse raciocínio podemos dizer que muitos vendem seus relacionamentos em redes sociais da mesma forma. Quantas pessoas hoje farão suas declarações, obviamente ilustradas por um mosaico de fotos com momentos felizes do casal, mais preocupadas com o que os outros vão achar do que com a reação da pessoa amada? Quantos casais que estão trocando juras de amor nesse momento não conseguem nem passar um dia sem brigar?

Mas o texto está ficando muito sério e hoje é não é dia pra isso. Hoje é dia de ouvir aquele rock farofa dos anos 80, seja por estar com alguém ou pra ficar roendo na solidão, de mandar e receber flores, de fingir que gostou do presente de ganhar aquela coisa que te faz dizer “Não acredito!” e logo depois um “Não precisava” seguido de um “Adorei!”. Dia de fazer o mundo inteiro saber que você gosta de verdade de alguém, ou de simplesmente fazer a única pessoa que realmente importa lembrar disso, ou de fazê-la saber. Afinal nem toda declaração tem que ser feita pra todo mundo ver, por que o amor existe muito antes da internet e ninguém nunca precisou dela pra dizer o que sente até um tempo desses.

Nome

Tem coisas que a gente pensa que todo mundo tem. Como senso crítico, bom senso, noção e outras coisas. De fato poucas coisas todo mundo realmente tem. Entre elas está o nome.

Nome que te deram, nome que você se deu, nome que virou nome sem querer. Não importa. Todo mundo é chamado de alguma coisa, faz parte do nosso ser e é a pedra fundamental da nossa identidade, mas todo esse papo sobre nome foi motivado por um fato cotidiano ligeiramente curioso.

Fui assistir um filme no cinema antigão do centro do Recife, o São Luis. Só que essa conversa sobre nomes não tem relação alguma com o cinema em si ou com a sua idade, nem com o filme, menos ainda com o Recife. Tudo aconteceu quando eu entreguei meu ingresso na entrada do cinema, espiei o crachá do senhor que estava conferindo os bilhetes e vi em letras pretas o nome:

“Rock Stanley”

Claro que eu só consegui processar a informação alguns minutos depois. Não é todo dia que se encontra um senhor de óculos, com a barba e o cabelo grisalhos com um crachá escrito “Rock Stanley”. Imediatamente comecei a imaginar se esse é o real nome do sujeito ou se a galera pode colocar apelidos no crachá lá no São Luís. Também comecei a pensar se eu tinha lido errado, mas esses pensamentos foram afastados. É inúmeras vezes mais legal saber que no mundo existe alguém com o nome de Rock Stanley.

É quase inevitável não imaginar a professora fazendo a chamada e perguntando se Rock Stanley estava presente ou Rock Stanley sendo chamado pra entrar num consultório médico. E diante da tela do computador eu imagino uma lápide, um cartão de crédito e uma carteira de motorista com o nome “Rock Stanley”. Espero não ter lido mal e espero que não seja um apelido, porque agora o mundo está muito mais legal pra mim. Porque é muito legal saber que existe um Rock Stanley.

Contos de Segunda #1

Armando estava se aposentando. Trabalhava na mesma empresa há quinze anos e era considerado um funcionário exemplar. Pontual e com pouquíssimas faltas ao longo desses anos todos. Ele não andava muito satisfeito com o trabalho, mas a eminencia da aposentadoria estava fazendo maravilhas com seu humor. Pelo menos até a ultima sexta-feira, quando ele notou que segunda seria seu ultimo dia de trabalho.

Passando os olhos nervosos pelo calendário ele lembrou de um feriado que passou batido. Ele ainda precisaria trabalhar mais um dia. Imediatamente o clima de “festa de despedida” foi construído em sua mente. Pessoas que ele não queria mais ver na vida colocariam a máscara de amigos de trabalho e descarregariam uma tonelada de palavras falsas em seus ouvidos. A paciência já estaria esgotada antes da hora do almoço, quando provavelmente ele seria coagido a almoçar junto com um bando de colegas de trabalho que sentirão pouca ou nenhuma falta dele. E além de tudo isso ainda seria segunda-feira.

O sábado e o domingo foram uma tortura. Todo o desgaste mental foi antecipado de um jeito que Armando acordou naquela segunda como se tivesse passado o fim de semana numa guerra. De fato a guerra existiu, dentro da cabeça dele. Ao entrar no carro já estava com raiva de metade do mundo. Quando virou a esquina na rua do escritório já tinha listado os prós e os contras de cometer alguns homicídios.

No momento em que passou pela frente do prédio ele teve uma epifania. A velocidade não reduziu, ele passou direto pela entrada da garagem, virou duas esquerdas, caiu no engarrafamento de uma avenida. Quando ele estacionou o carro na beira mar respirou fundo, encarou o mar, olhou nos olhos da segunda-feira e disse:
“Não hoje, nem nunca mais”

Página 1 de 2

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén