Cachorros de Bikini

Desculpe qualquer coisa

Contos de Segunda #13

Robson queria fugir. Não, ele não é parte da população carcerária Brasileira. Robson trabalha num escritório de direito, de terno e gravata, todos os dias das 8 às 17. Não havia ninguém tão correto no trabalho quanto ele, que sempre chegava no horário e nunca faltava, mas secretamente ele nutria um desejo: fugir do trabalho

A raiz disso está nos tempos do colégio. Um belo dia o jovem Robson escapuliu do colégio cerca de uma hora e meia mais cedo do que o normal. Não parece muito, mas aquela sensação de estar em um lugar onde não deveria embriagou aquele adolescente que hoje estava dentro de um escritório. A sensação de fugir com certeza seria mais forte, pelo menos era isso que ele imaginava, e só era possível fazer tentando.

Ao longo da semana anterior Robson plantou uma série de informações falsas e, até certo ponto, contraditórias. A secretária do departamento sabia que ele estaria no fórum, seus amigos de baia o ouviram comentar sobre como estava chegando o último dia para recorrer de uma multa de estacionamento que ele levou por engano, a recepcionista lembrava de ouvir algo sobre ele precisar ir ao médico, seu chefe estava em reunião com clientes importantes durante todo o dia. Ninguém estranharia a ausência dele.

A ideia não era simplesmente escapar e ir para casa. Ele fugiria para algum lugar onde as pessoas estariam plenamente convencidas de que ele não devia estar ali. Por isso ele iria para a praia, de gravata, em uma segunda-feira. Quando a hora do almoço chegou ele esperou que todos saíssem, pegou suas coisas e partiu. Passou o corredor com passos acelerados, evitou o elevador e desceu os quatro andares de escada até o estacionamento, no dia em questão ele tinha vindo com o carro da irmã que, apesar de ter uma cor meio feminina, tinha uma película escura nos vidros. Chegou na rua e foi para a praia.

Liberdade. O gosto doce daquela dama preenchia sua boca e transbordava em forma de um largo sorriso. Nem o transito, nem a falta de vagas desanimaram Robson, muito menos o tempo meio nublado. Quando os pulmões dele se encheram daquela brisa salgada e ele viu um homem bastante familiar sentado em uma cadeira na areia. Embaixo de um guarda-sol estava o seu chefe, de gravata e com as mangas arregaçadas, tomando água de coco com um ar de felicidade extrema. Robson decidiu que iria para casa, pelo menos seus dois filhos estariam plenamente convencidos de que ele não deveria estar ali.

Sem comentários »

Agosto

Agosto acabou. Na verdade ainda tem um restinho de mês pela frente, mas na prática esse mês já era. Gostaria de fazer uma bela introdução a este assunto, mas o tema me deixa tão impaciente que, provavelmente pela primeira vez, eu vou direto ao assunto. Pra mim Agosto é o pior mês do ano.

Peço perdão aos queridos amigos que completam idade nova em Agosto e aos pais, que são homenageados nesse mês tão cabuloso, mas preciso expressar a antipatia que nutro pelo mês 08 do ano. Começando por ser o mês de volta às aulas, passando pelas superstições populares e finalmente chegando ao fato de Agosto não ter nenhum feriado, além de, na maioria dos anos, chover tanto quanto em Julho e ser tão quente quanto Setembro, vemos que Agosto tem tudo pra ser um dos piores meses do ano, mas de uns tempos pra cá creio que ele ficou muito pior.

No trabalho Agosto tem sido um dos piores meses do ano, justamente por ser o verdadeiro inicio do segundo semestre, uma prévia da desgraça que vai ser o fim do ano em relação às demandas profissionais. Sem contar que Agosto é um mês ruim pros lojistas de varejo, tirando o dia dos pais ninguém compra nada em dia nenhum. Até a quantidade de casamentos cai drasticamente em Agosto. Na minha cabeça se existe um mês em que uma noiva não quer se casar é por que tem alguma coisa muito errada com ele.

Mês do desgosto, mês do cachorro louco, e a velha piadinha de calendário “Agosto… A gosto de Deus”, tudo joga contra o oitavo mês do ano. Se a maioria das pessoas tem problemas com a segunda-feira, eu tenho com o mês de Agosto na mesma proporção. inclusive vou encerrar esse texto antes do previsto apenas pelo fato de ter “Agosto” como título.

Sem comentários »

Só Não Pode Deixar Morrer

Quem mora no Recife sabe que algumas das melhores e mais antigas bancas de jornal da cidade estão na Av. Guararapes, Centro do Recife, por isso toda vez que eu vou fazer alguma coisa pelo Centro acabo passando por lá pra dar uma olhada nos quadrinhos. Por um mero acaso acabei entrando numa rápida conversa trivial com o senhor dono (pelo menos eu imagino que seja o dono) da banca sobre uma certa coleção de encadernados que anda saindo e está fazendo bastante sucesso. Tal conversa acabou me fazendo levantar um ponto relevante em relação ao meu relacionamento com as histórias em quadrinhos. Apontei três razões principais que não me deixavam comprar tudo que eu gostaria de ler: a falta de tempo para ler, falta de espaço pra guardar e a falta de grana. A resposta que eu recebi me pareceu tão interessante na hora que me motivou a escrever o texto dessa quarta-feira.

“Tempo a gente arruma”. Faz tempo que o tempo anda apertado. Se você tem a mesma sensação te dou os parabéns por já ter virado um adulto. Infelizmente o tempo é um recurso cada vez mais escasso e nós, pobres seres humanos, temos o costume de diminuir o tempo disponível para nossos hobbies e atividades recreativas de uma maneira geral. Com um pouco de esforço é possível arrumar uma brechinha na nossa vida corrida pra encaixar as coisas que fazemos por pura e simples satisfação. Cara da Banca 1×0 Filipe.

“Espaço a gente ajeita”. Quem é adepto da mídia física sabe o problema que é guardar a coleção, seja de livros, revistas ou seja lá o que for. Muitas vezes a decisão de comprar ou não comprar leva em conta o espaço disponível na estante ou prateleira. Esse tipo de raciocínio acaba sendo levado um pouco pra nossa própria vida. Quantas pessoas se privam de conhecer alguém por não ter “espaço” em suas vidas para um relacionamento? E os que deixam de fazer aquela aula daquele idioma esquisito ou desistem de voltar a estudar por acharem que já tem muitos afazeres na vida e não querem mais uma coisas pra se preocupar? Mais um ponto pro Cara da Banca. Cara da Banca 2×0 Filipe.

Obviamente ele teve que concordar comigo sobre o fator grana. Pelo menos dessa vez nós dois marcamos ponto. Cara da Banca 3×1 Filipe. Mas o que ele me disse depois foi o que realmente me impactou:

“Só não pode deixar o quadrinho morrer”.

Claro que o mercado brasileiro de quadrinhos está muito longe de ser o paraíso para as editoras, grandes e pequenas, que se atrevem a publicar obras de arte sequencial, mas será mesmo que ele estava falando sobre isso? Acredito que essa frase poderia ser lida como “Só não pode deixar o quadrinho morrer pra você”. Fim de jogo, vitória do Cara da Banca.

Sem comentários »

Contos de Segunda #12

Sono. Era o que Jorge sentia quando buscou a irmã no aeroporto às duas horas da manhã do sábado. Depois de uma série de problemas com a bagagem ele ainda sentia sono às oito da manhã, hora em que sua tia deveria estar chegando na rodoviária. Porém um acidente envolvendo duas motos, um caminhão cheio de melancias e uma viatura do Corpo de Bombeiros só deixou a pobre senhora chegar ao seu destino às dez. Jorge continuava com sono.

Sono este que persistiu ao longo de todo o sábado, enquanto Jorge ajudava o pai a comprar toda a comida e bebida que seria consumida no domingo. Os pais de Jorge completariam trinta e cinco anos de casados, a festa seria boa, parentes de todos os lados fizeram questão de aparecer. Parentes como os quatro primos de Jorge que chegaram às onze da noite, duas horas depois de dois tios e uma tia. Todos eles foram buscados por Jorge, que caiu na cama à meia-noite e acordou as cinco para começar a encher quatrocentos e noventa e oito balões de hélio.

Depois de encarar uma maratona de domingo com todos aqueles parentes, que comiam, bebiam e faziam muito barulho, Jorge só conseguia pensar no quanto estava com sono, em como estaria com sono no trabalho na segunda-feira e de como aquilo já parecia tão ruim dentro da sua pobre cabeça. E seria bem ruim, caso o despertador tivesse sido ouvido. Se Jorge tivesse conseguido chegar no escritório antes da hora do almoço, se a reunião dos chefes não tivesse durado a manhã toda ou se a simulação de incêndio não tivesse acontecido vinte minutos atrás. Apesar de tudo isso, ainda havia um problema que continuava sem solução. Jorge ainda estava com sono.

Sem comentários »

Não Deu pra Terminar

Sentei na cadeira. Escrevi. Não consegui continuar. Parei pra ler. Ficou ruim. Levantei e arrumei algo melhor pra fazer.

Foi exatamente isso que aconteceu com um texto que eu queria escrever há tempos. Um tema que na minha cabeça prometia, tema bastante conhecido por mim inclusive: a hora extra. Tive umas ideias, pensei que ficariam legais no papel. Eu comecei o texto até empolgado. Mas não veio, não deu aquele barato. Quando eu percebi que o processo de escrita estava me incomodando resolvi ler o que tinha saído até então. Na hora eu notei, mas demorou pra que finalmente eu aceitasse. Ficou tão ruim que não dava vontade de continuar escrevendo.

Não é a primeira vez que acontece. Faz tempo que eu abandonei a ideia de que cada texto escrito precisa ser melhor do que o anterior. Mas esse texto conseguiu me tirar o sossego. Não sei se foi a frustração de ver um tema, aparentemente, divertido ser transposto pro papel de forma tão desinteressante e sem brilho.

Eu queria ter conseguido falar sobre a trilha sonora pitoresca que rola nas horas extras, das besteiras que a galera consome e das coisas esquisitas que acontecem conforme o relógio avança. De como a proximidade da meia-noite nos deixa com as ideias trocadas e de como é chato chegar de manhã no escritório e ver que o sono te fez esmerdalhar tudo e que o seu adicional noturno não valeu de muita coisa. Fazer isso tudo de um jeito interessante não rolou. Sério. Não deu.

Fiquei desanimado um tempo. Isso somado com as correrias da vida me fizeram perder um pouco da vontade de escrever por um tempo, mas agora já foi. Não tenho coragem de apagar o coitado, assim como não apaguei os meus outros escritos que deram errado, pouco certo ou ficaram bem ruins. É bom deixar ele lá pra caso eu escreva alguma coisa muito boa. Vou precisar de algo pra me lembrar que a qualquer hora eu posso escrever uma coisa muito ruim.

Sem comentários »

Tá Tudo Uma Bosta

O título dessa postagem não é uma frase de minha autoria, ela foi dita por uma amiga/leitora. Foi um dia desses, quando eu perguntei “Como estão as coisas?” e ela prontamente me respondeu “Tá tudo uma bosta. (foi mal a negatividade rsrsrs)”. De fato estar tudo uma bosta é uma situação bem longe do ideal, mas o que realmente me chamou a atenção foi o “foi mal a negatividade”. Naquele instante um tema pro texto dessa quarta-feira apareceu.

Desde muito jovens somos encorajados a responder perguntas do tipo “Tudo bem?”, “Como você está?” e similares com uma resposta positiva. Basta lembrar das aulas de inglês, onde as únicas respostas que aprendíamos a dar eram “I’m fine, thanks” ou algo similar. A atitude positiva automática é uma coisa que entra na nossa programação tão cedo que constatar a verdade através de uma resposta negativa nos parece um crime. Principalmente hoje, quando existe praticamente uma ditadura da felicidade.

Em um mundo em que pessoas fazem uma propaganda massiva da própria felicidade, não se sentir feliz é visto com maus olhos. Ser sincero ao ponto de dizer que tudo está uma bosta é classificado por muitos como pessimismo, negativismo ou puro e simples exagero. Eu tenho pra mim que sempre tem algo bom acontecendo, mas em alguns momentos olhamos para os lados e chegamos a conclusão de que “Tá tudo uma bosta”. Nesses momentos se recriminar por pensar assim me parece tão errado quanto dizer que está tudo certo mesmo não estando. Pessimismo não é admitir que tudo está uma bosta, mas sim desanimar diante da bosta em que tudo aparentemente se transformou. Admitir que as coisas não vão bem é o primeiro passo pra colocá-las nos eixos.

Por último gostaria de deixar bem claro que, apesar de ser uma pessoa que oscila entre o realismo e o otimismo, já vi tudo ao meu redor se transformar em fezes algumas vezes. Não vou mentir dizendo que em todas essas vezes eu encarei com coragem e determinação todas as dificuldades. Bastou só um pouco de otimismo e paciência. Os tempos ruins sempre passam, mas enquanto eles não passam, não se sinta mal em admitir que está tudo uma bela bosta.

2 Comentários »

Contos de Segunda #11

Cristina estava em pânico. Era segunda-feira, ela esperava pelo elevador. O maldito pedaço de lata estava parado no sexto andar fazia uma eternidade. “Descedescedescedesce”, pensava a pobre moça, a cada segundo que passava o terror aumentava. Se ela pudesse chegar rápido à sua baia lá em cima poderia se esconder durante todo o dia sem correr o risco de encontrar com Jorge. “AI, QUE ÓDIO!”, pensava Cristina quando se lembrava do rapaz do jurídico.

O telefone vibra. Chegou uma mensagem. Era de Luciana, sua amiga e colega de trabalho.

Encontrasse com teu boy?”

“VAI PRO INFERNO, LUCIANA”

“Kkkkk relaxa, amiga, Jorge nem deve lembrar do que rolou”

“Duvido”

“Ui! O rolo de vcs foi forte assim? E eu pensando que era impressão minha”

“AI Q ÓDIO”

O elevador ainda estava no sexto andar. Cristina começava a relembrar toda a série de acontecimentos que conduziram sua vida até aquele abismo de arrependimento e aflição. Era sábado, 19h. Cris estava preparada para passar o resto da noite assistindo Grey’s Anatomy, acordar às três da manhã largada no sofá em uma posição esquisita, partir pra cama e acordar cedo no domingo para andar de bicicleta. Plano à prova de falhas… Pelo menos até Luciana mandar as três palavras mágicas: Clone de Tequila. A mensagem foi visualizada e ignorada. Afinal Cristina precisava acordar cedo, apenas a magia da tequila não seria suficiente, mas vieram mais três palavras que fizeram a magia acontecer: Pearl Jam Cover.

“Qual Cover?”, dizia a mensagem que Cristina mandou desejando que a resposta não fosse o que ela achava que seria.

“O único que vale a pena”

O coração acelerou. Existia um único cover de Pearl Jam para Cristina, e eles normalmente não tocavam em locais e horários em que ela pudesse ir. Grey’s Anatomy ficaria pra depois.

Na terceira música a tequila já tinha feito bastante efeito. Na quinta música Jorge apareceu, sem muita intenção, só aproveitou a oportunidade de despertar um pouco de simpatia numa colega de trabalho que o detestava declaradamente. Quando tocou Alive Cristina pediu para subir nos ombros de Jorge. Mais três doses de tequila e eles passaram o resto das músicas como se fossem namorados no auge da paixão. Essa parte da história é um grande vazio na memória da moça, mas Luciana estava lá. Ao contrário da amiga, Luciana não gosta de tequila, ela gosta de testemunhar. Na manhã do domingo Cristina acordou com uma ressaca inacreditável e com um relato completo da noite anterior chegando em seu celular, com direito a registro fotográfico e dois vídeos de aproximadamente trinta segundos cada. A ressaca da tequila passou a incomodar muito menos.

O elevador finalmente tinha chegado. Cristina estava sozinha dentro dele, apertando freneticamente o botão para que as portas se fechassem. Por longos segundos a porta permaneceu aberta. Segundos em que o peito da pobre moça quase explodiu. A porta fechou… E abriu novamente… Para o estagiário do financeiro. A porta fechou, o elevador começou a subir. Mais uma vez o celular vibra, um lembrete que diz: “Reunião com o pessoal do jurídico 10h”.

2 Comentários »

A História de Todas as Coisas

Outro dia estava eu caminhando pelo Centro do Recife quando escuto uma menina falando alto pra amiga que estava com ela a seguinte frase: “Aquilo é um sofá?”. Ela se referia a um corpo estranho que estava meio submerso no rio Capibaribe. O fato do corpo estranho de fato ser um sofá fez minha imaginação começar a trabalhar. Não custou muito para que eu chegasse a conclusão de que a história daquele sofá talvez fosse bem interessante. Logo depois eu pensei: Seria muito legal conhecer a história de todas as coisas.

Tudo que compramos ou ganhamos sempre trilha um caminho muito longo para chegar até nós. Depois que começamos a usa-los eles começam uma jornada ainda maior, nos acompanhando em vários lugares e vivendo junto conosco toda sorte de experiências boas ou ruins, banais ou extraordinárias. Se nós temos muita coisa pra contar, não é difícil conceber que os objetos que nos cercam também teriam.

Imagine se aquele seu sapato surrado, aquele chinelo velho ou aquela camisa de estimação pudessem contar todas as coisas pelas quais elas passaram. Como seria ouvir uma parte da sua própria história sob a perspectiva de uma calça jeans? Quantas histórias não tem aquele fusca todo conservado que passou por você outro dia ou uma nota de 10 reais.

Fico pensando em todos os lugares que uma câmera fotográfica já teve o prazer de registrar, em quanto já viu um simples par de óculos ou em quantos filmes já viu uma poltrona de cinema… Ou simplesmente no caminho que trilhou o sofá até seu destino final: o Rio Capibaribe. Se ele pudesse me contar talvez fosse legal de ouvir, mas infelizmente não tem como conversar com um sofá sem estar louco.

Sem comentários »

Dia dos Pais

No último domingo, também conhecido como dia 9 de Agosto ou segundo domingo de Agosto, foi comemorado o dia dos pais. Um dia bem movimentado que gera comoção dentro e fora das redes sociais, agita o comércio e mexe com o coração de pais e filhos. Diante disso fico um pouco receoso ao afirmar que, na pratica, o Dia dos Pais é que nem o Dia das Mães… Só que da segunda divisão.

Antes de continuar quero deixar claro que não estou afirmando que as mães são melhores que os pais. O raciocínio que será desenvolvido nas próximas linhas leva em consideração apenas os eventos, rituais, práticas e coisas parecidas que estão relacionadas com a data em questão.

Para os pais o Dia dos Pais funciona quase como o natal. O presente preferencial dos filhos é alguma roupa ou calçado, normalmente essa escolha é influenciada por uma frase bem simples: “Teu pai tá precisando de (Insira a Peça de Roupa/Calçado Aqui)”. Não estou dizendo que a mãe solta essa frase com intenção de sabotar o presente, mas é sabido que em muitos lares a mulher tem um inventário de todas as necessidades de vestuário dos demais membros da família. Comparando esses presentes com os presentes clássicos do Dia das Mães temos a ala feminina abrindo uma boa vantagem.

Além dos presentes temos o tamanho das homenagens. Um exemplo disso foi uma campanha feita por uma marca multinacional no ano dos Jogos Olímpicos de Londres. A ideia da campanha era mostrar a vida de atletas fictícios desde a infância até a idade de competir nos Jogos, mas sempre com o foco nas mães. A campanha durou alguns meses. Se o exemplo anterior não te convenceu, vou dar o exemplo de um fato que aconteceu com um tio meu. No Dia das Mães a escola em que o filho dele estudava promoveu um café da manhã com as mães, elas foram na escola e tudo mais. No Dia dos Pais meu tio ganhou uma gravata de papel.

Pra finalizar retomo ao paralelo que fiz no inicio do texto com a segunda divisão. Normalmente os times da segunda divisão não tem as maiores estrelas, os jogos são em horários estranhos e muitas vezes nem passam na televisão. Apesar de tudo isso o torcedor não abandona o time, veste sua camisa com orgulho, comemora cada vitória e sofre com cada derrota, mas acima de tudo ele torce pelo seu time do coração.

Sem comentários »

Contos de Segunda #10

“Você está atrasado”.

Era o que dizia a mensagem recebida duas horas atrás. Quando o engarrafamento estava ainda na metade e o rádio anunciava o congestionamento recorde do ano. Ribeiro teve a infelicidade de precisar de um remédio que o deixava com muito sono, muito sono mesmo. Uma hora a mais de sono e ele perdera o horário em que o caminho para o trabalho não estava engarrafado. Logo na segunda-feira, quando o transito era pior por natureza, e quando sua gerente fazia questão de chegar no horário.

“Ribeiro, está atrasado”

Foi o que a gerente disse uma hora atrás. Ela estava lá esperando para ver a analise dos resultados do controle de qualidade do fornecedor. Por sorte isso estava pronto, mas provavelmente nenhuma das outras pendências estava, eram tantas que Ribeiro nem conseguia lembrar de todas. Era começo de Agosto e as demandas estavam se acumulando, como em todos os meses de Agosto de todos os anos passado.

“Está atrasado”

Dizia o email do dono do apartamento em que Ribeiro morava. Uma semana de atraso no aluguel, consequência de uma série de problemas com operações bancárias. Sem tempo de ir ao banco resolver, o dono do apartamento não aceitava outra forma de pagamento que não fosse dinheiro em espécie. Sendo assim ele ia ter que esperar.

“Está tudo atrasado”

Falou a gerente pelo telefone dois minutos atrás. A análise já tinha perdido a graça, ela precisava de mais alguma coisa para se entreter. Até o fim do dia pelo menos duas das pendências deveriam estar na mesa dela, e de fato estariam. A segunda-feira terminaria bem. Amanhã ainda estaria tudo atrasado, as demandas ainda se acumulariam e a gerente ainda cobraria muita coisa. Agosto ainda seria uma segunda-feira de 31 dias, tão ruim quanto qualquer Agosto de qualquer ano anterior. Ruim o suficiente para fazer Ribeiro pensar que o fim de ano estava atrasado. Deixando-o ansioso por Setembro, pelo fim desse mês cabuloso…  Mas isso ainda ia demorar um pouco e nesse exato segundo ele só conseguia pensar no próprio atraso.

4 Comentários »