Cachorros de Bikini

Não é um blog sobre cachorros e bikinis

Mês: agosto 2017

alarm-clock-snooze-button

A Soneca do Despertador

Eu nunca fui uma pessoa de dormir demais. Tirando casos em que o cansaço atinge níveis muito elevados ou onde as horas de sono são muito reduzidas, perder a hora é algo que muito dificilmente acontece comigo. Justamente por isso eu tenho uma grande dificuldade de entender aquelas pessoas que sempre perdem a hora, que tem uma dificuldade extrema pra acordar ou que saem de casa, mas só se consideram acordados horas depois. Se você se encaixa em algumas dessas categorias, esse texto foi feito pra você.

Desde tempos antigos o ser humano se utiliza de sinais para despertar. Os raios do sol ou o canto do galo servem de alarme faz algumas centenas ou milhares de anos. Com o avanço da tecnologia o homem resolveu usar o relógio como base para os aparelhos despertadores e quando os celulares se tornaram mais populares o despertador se tornou ainda mais utilizado. Só que, pra variar, o ser humano sempre desvirtua as invenções e as utiliza para o mal e com os alarmes dos celulares não seria diferente. Imagine que os relógios despertadores só conseguem despertar em um horário, já que armazenam um horário de alarme por vez, mas os celulares não possuem essa limitação. Armazenar um, dois, três ou cinco alarmes não é problema até para os mais simples dos aparelhos. E foi aí que começou a loucura.

Colocar o celular pra te acordar de manhã é algo que todo mundo faz, seja com toques calmos ou com uma sirene que anuncia o apocalipse, é raro encontrar uma pessoa, por menos dorminhoca que seja, que não se utilize desse recurso tão prático. Com mais gente usando o despertador se tornaram mais e mais comuns os casos de gente passando direto por cima do alarme e acordando bem depois do pobre celular ter desistido de tocar. É aí que a engenhosidade humana entra. Já que não existe limite de armazenamento de alarmes, por que não colocar alguns vários alarmes em sequência?

dfd1ba5855e05120e7d78efef710cf6acfcf10b3ee77d4365d4a5c40162365ba

Já vi gente que coloca dois, três e até mais alarmes com intervalos variados entre si. Muitos deles servem só pra lembrar quanto tempo faz que o preguiçoso tá enrolando pra levantar da cama, mas outros são verdadeiros procedimentos de segurança, pra garantir que aquele ser humano acorde dentro do limite de tolerância do horário. Só que algumas dessas pessoas possuem capacidades sonâmbulas de manipular os objetos e aí entra a função mais controversa dos despertadores: a soneca.

Só dá pra fazer duas coisas quando o celular alarma, desligar o alarme ou ativar a função “soneca”, que faz o alarme ser repetido depois de alguns minutos. Quando a pessoa escuta o alarme, mas não acorda, a coisa mais fácil de acontecer é que ela desligue o alarme e volte a dormir. Até um tempo desses isso me parecia meio absurdo, até ouvir alguns relatos de pessoas que “desligaram o alarme dormindo”. Quando a pessoa escuta o alarme e acorda, é provável que a função soneca seja ativada e a hora de acordar seja adiada em alguns minutos.

giphy

Se você faz esse tipo de coisa e de fato cochila junto com seu celular, é melhor parar de fazer isso.

Segundo essa matéria AQUI, acordar e dormir repetidas vezes em pouco tempo é o mesmo que bater o cérebro num liquidificador. O resultado disso é taquicardia, perdas de memória, confusão mental, dores e, veja só, irritabilidade. Isso quer dizer que usar a soneca do celular pode deixar você chato, dolorido, meio senil e ainda com o coração disparado. É uma maravilha, não é mesmo?

Por isso, criança leitora, ouça os alarmes, acorde de primeira e evite todos os efeitos malditos da preguiça. Melhor acordar assustado com o primeiro alarme do que acordar sem saber que lugar é aquele depois da terceira ou quarta soneca.

069080

Não Vejo Esses Filmes de Capeta

    Na semana passada estreou nos cinemas brasileiros a aguardada sequência daquele filme com a boneca do capiroto. Estou falando de Anabelle 2, que na verdade se passa antes do primeiro filme que também vem antes do filme onde Anabelle, a boneca dos infernos, parece primeiro… É, também achei confuso, mas em vez de falar do filme, vou aproveitar pra falar sobre a minha relação com aqueles filmes que eu classifico como “filmes de capeta”.

    Quando eu era pequeno meu pai sempre contava uma história sobre um tio dele gostava muito de filmes de terror e de como isso acabou atraindo umas paradas muito estranhas que aconteceram na casa dele. Por essa razão eu cresci em um ambiente que desestimulava qualquer contato com filmes que tivessem as temáticas mais recorrentes nas obras de terror. Somado a isso, temos o fato de eu ser cagão desde criança, o que contribuiu ainda mais pra me afastar dessas coisas de terror. Mas eis que em um belo dia tudo mudou e, no período de um ano, eu assisti mais filmes de terror do que em todo o resto da minha vida. O que aconteceu pra mudar tudo? Simples, eu comecei a namorar.

    “Eita, Filipe, o que tem isso a ver com filmes de capeta?”. A resposta é bem simples, a moça com quem eu namorava na época era uma amante de toda espécie de filme de capeta e em vários momentos acabei usando esses filmes malditos pra conseguir assistir os filmes que eu queria acompanhado da minha lady da época. Inclusive foi nessa época que eu fui assistir o primeiro filme solo da boneca maldita capetosa dos infernos.

tumblr_oruses9vu41rp0vkjo1_500

    A primeira coisa que eu descobri foi: quanto menos acostumado em assistir filmes de terror, pior vai ser pra você. As pessoas que gostam muito de filme de terror normalmente conseguem passar bem pelos sustos e não tem tanto medo quanto uma pessoa que nunca vê essas paradas. Levar susto, dar grito no meio do cinema e assistir minutos inteiros do filme sem olhar pra tela foram coisas que eu fiz quando fui assistir esse filme desgraçado da boneca, justamente por não ser resistente à todas essas estratégias que os diretores usam pra te fazer saltar da cadeira e sujar as calças. A segunda coisa que eu descobri foi que, em sua grande maioria, esses filmes de terror são filmes bem ruins.

tumblr_n0yefuJKRM1rp0vkjo1_500

    Tirando os capetas, os sustos e todas as famílias felizes que têm suas vidas desgraçadas ao longo da história, não sobra muita coisa. A explicação mirabolante que dão pra origem do bicho ou do fenômeno em questão costuma ser bem melhor que os diálogos e do que o enredo em si. Pelo menos os atores costumam estar bem comprometidos com a parada, ao contrário de outros filmes tão ruins quanto, os atores de filme de terror precisam ser competentes o suficiente pra passar todo o terror que a cena pede.

    “Ai, Filipe, tu fala isso porque tu tem medinho desses filmes. Óbvio que eu tenho medo dessas películas malditas. Não gosto desse tipo de filme e nunca vou gostar, até porque o costume de ver acaba gerando os filtros que você precisa ter pra assistir essa parada e achar legal, se eu não vejo não tem como criar costume. Eu sou cagão, sou cagão mesmo e sou muito mais feliz não assistindo a essas coisas. Acho que o único filme de terror que eu gosto é Alien – O Oitavo Passageiro, que é bem mais de boa do que todos esses negócios de capeta que passam por aí. Talvez até tivesse mais alguma coisa pra falar, mas não consigo pensar em terminar de escrever esse negócio pra apagar o gif da boneca que eu baixei pra inserir no post. Até a próxima.

mafia-3-20-minutos-de-gameplay-e3-2016_mx6g

Contos de Segunda #91

    Horácio era um assassino da máfia. Sem a menor sombra de dúvida o pior de todos os assassinos que qualquer organização criminosa já viu. Extorquir, ameaçar, torturar, espancar eram coisas que ele fazia com maestria, ele também era ótimo com uma pistola na mão… A menos que ele precisasse fazer uma execução. Acertar uma bala em um cara com quem você está trocando tiros é uma coisa bem diferente de enfiar uma bala na nuca ou na testa de alguém que está pedindo por clemência, falando que tem família e todas essas coisas. Horácio preferia ser mais diplomático, gostava de dizer que a violência poderia ser utilizada de forma pedagógica em adultos com muito mais eficiência do que com crianças. Justamente por isso que ele recebeu uma ligação naquela segunda-feira.

    — Horácio, preciso que cuide de uma coisa pra mim — disse a voz do outro lado.

    — Pode dizer, chefe — respondeu Horácio.

    — Tem um cara novo, Giovani o nome dele, começou com a gente tem um tempo e leva jeito pras coisas. Queria que ele fizesse um serviço junto contigo. Sabe como é, ele ainda não tem manha.

    — Não sou muito bom trabalhando em equipe, chefe. Normalmente quem faz esse tipo de serviço são os caras da fila de aposentadoria, não tem ninguém disponível?

    — Esses dias foram meio complicados, Horácio…

    — Deixe que eu adivinho… Fim de semana movimentado e o pessoal pediu uma folga.

    — Vivemos em dias difíceis, meu velho.

    — Qual é o serviço?

    — O Joalheiro está com os trabalhos atrasados e me parece que ele não vai poder tirar o atraso nos próximos dias. Infelizmente não vamos poder mais esperar pra cobrar a dívida dele.

    — Considere o trabalho feito.

    Horácio pegou o carro e foi para o armazém que servia como base de operações, Giovani já estava parado na entrada esperando por ele. O jovem tinha cara de tudo, menos de criminoso, Horácio suspeitava que não era só a cara que ele não tinha.

    — Entra aí, rapaz — disse ele abrindo a porta do carro.

    — Pra onde vamos, senhor? — Questionou Giovani entrando no veículo.

    — Corta essa de “senhor”, garoto, eu não sou seu superior… E respondendo à sua pergunta hoje nós vamos falar com o Joalheiro.

— Qual é o lance com ele?

— Ele nos ajuda a limpar uma parte do nosso lucro. Normalmente ele faz tudo direitinho, mas tem um tempo que ele não tá cumprindo a parte dele, a nossa remessa de pedras e jóias tá atrasada, por isso vamos lá cobrar os juros de uma dívida que fica congelada enquanto ele estiver fazendo a parte dele.

— Então eu vou só te observar cobrando?

— Não. Eu vou observar, a cobrança é contigo.

— Comigo?

— O Joalheiro é tranquilo, costuma colaborar e quase não precisa ser ameaçado. É só chegar com jeito e tudo vai dar certo.

Alguns minutos depois os dois estavam parados na entrada da loja. Giovani respirou fundo e entrou. Um homem idoso estava do outro lado do balcão, ele atendia uma cliente que estava procurando por um anel.

— Com licença — interrompeu Giovani. — Preciso falar com o senhor, não vai demorar.

— Só um instante, rapaz, estou terminando uma venda.

— Acho que o senhor não entendeu — rebateu o rapaz aumentando a seriedade do tom. — Preciso falar com o senhor agora.

— Não costumo alterar as prioridades de atendimento, meu jovem. Se precisa falar comigo, também precisa esperar.

Giovani sacou a pistola, a moça gritou. Horácio se aproximou dela rapidamente e conduziu os passos trêmulos dela até a saída.

— Ele teve um fim de semana difícil — enganou Horácio. — Ele comprou uma aliança aqui e a namorada não quis virar noiva. Melhor voltar amanhã.

A moça concordou enquanto engolia as lágrimas pela porta.

— Ficou doido Giovani? Eu avisei que o Joalheiro é tranquilo.

— Ele não deve ter sacado o que eu vim fazer aqui. Resolvi encurtar a conversa.

— Eu ainda não sei o que você veio fazer aqui — respondeu o Joalheiro com as mãos levantadas. — Neste momento eu creio que veio me assaltar, coisa que eu não recomendo porque eu pago muito pra ter proteção.

— Baixa essa arma, garoto

— Horácio, que surpresa. Quase não o reconheci. Imagino que foi você quem trouxe esse aprendiz de cobrador.

    — Aprendiz? Me respeite, seu velho. Você não está em posição de falar desse jeito.

    — Cuidado com essa arma, Giovani — alertou Horácio. — Viemos buscar o pagamento dos juros, Joalheiro. Só isso.

    — Mas a minha dívida foi congelada, pensei que teria mais tempo.

    — O tempo acabou, coroa. Cadê a grana do chefe?

    — Ficou doido? Tá pensando que ele é um marginal qualquer? Estamos cobrando de um associado e não apontamos armas pros associados.

    — Me parece uma regra razoável — ponderou o Joalheiro.

    — Quieto! — Cortou Giovani. — Só queria terminar o serviço logo.

    — Hoje vocês não vão terminar serviço algum — disse o Joalheiro. — Ativei o alarme no minuto em que essa arma foi puxada.

    — Você o QUÊ? — gritou o rapaz.

    — Se você tivesse pelo menos se apresentado, imediatamente pensei que era um assalto.

    — Seu filho da… BAM.

    Um tiro acertou a perna do velho.

    — Agora eu sei que você é doido. Como você atira no joelho do associado?

    — Sei lá, fiquei nervoso.

    Horácio levou as mãos à cabeça, respirou fundo três vezes.

    — Pra fora! Vamos sair daqui agora — ordenou Horácio. — Pelo menos a história do assalto vai bater com o tiro.

    — Você vai me deixar aqui?

    — A polícia te leva pro hospital, Joalheiro. Lugar pra onde a gente não vai se ficar por aqui. Volto outro dia.

    Os dois capangas saíram apressados pela porta, entraram no carro e deixaram a rua poucos instantes antes da viatura da polícia chegar. Naquela hora Horácio tinha certeza que podia matar Giovani. Coisa que ele teria feito se não tivesse certeza que, de alguma forma, ele não ia conseguir assassinar aquele rapaz.

transito-sao-paulo

Eu, Você e Esse Trânsito Maldito

    Esta semana não foi raro parar para avaliar minha vida no caminho para o trabalho ou para casa. Na verdade eu estava analisando minha vida em dois momentos específicos. Digo isso pelo simples fato de ter passado essa semana por dois dos maiores engarrafamentos que eu já encarei nos meus quase três anos como motorista.

    Se existir uma lista dos maiores vilões para os seres que habitam ou circulam diariamente pelas cidades grandes, é bem provável que o trânsito esteja no topo da lista para a maioria das pessoas. Se quando você é criança os monstros que aparecem quando a luz apaga, o velho do saco, o bicho papão ou aquela velha estranha que vive na sua rua são as coisas que mais te metem medo, quando você é adulto essa função de encher o seu coração de pavor pode muito bem ser ocupada pelo trânsito. A diferença é que, ao contrário dos monstros que teoricamente vinham pra te pegar, é você que vai pegar o trânsito.

    Não sei você, mas quando eu falo ou penso em alguma frase que tem a expressão “pegar trânsito”, a minha alma se enche de medo ou de tristeza. Quando a frase envolve alguma forma de pensamento preventivo, o medo toma conta, afinal a incerteza faz isso com a gente. Quando o trânsito ruim se torna uma certeza, ou uma sentença, o mundo perde a cor e todas aquelas músicas de bad que você já ouviu na vida começam a fazer muito sentido. Mas nada é maior do que a aleatoriedade do trânsito.

    Basta você fazer o seu caminho de casa para o trabalho/escola/curso/faculdade de segunda à sexta pra memorizar quais os pontos de engarrafamento, mas também é bem possível que você tenha experimentado passar por alguns pontos onde tanto faz o trânsito estar uma beleza como estar uma desgraça. Imagine que toda vez que você sai de casa vc joga um dado e torce pra tirar um número alto o suficiente pra te livrar do trânsito.

0mrjo

Mas tudo que foi comentado até agora acontece antes ou depois do engarrafamento, justamente onde a desgraça verdadeira do trânsito habita. O engarrafamento é o ponto máximo do trânsito, pode ser só uma lentidão momentânea, uma lentidão sem fim ou você pode simplesmente ver a mudança na cor dos sinais algumas várias vezes antes de ter a oportunidade de andar um palmo que seja. Buzinas motivadas pela revolta e/ou pela falta de educação aparecem aqui e ali, um ou outro carro acaba cheirando a bunda de outro que freou muito repentinamente e sempre vai aparecer uma ambulância ou viatura da polícia pra testar a capacidade dos motoristas de livrar espaço na via. Claro que também temos os motoqueiros que fazem questão de tirar aquele fino no seu retrovisor e de desafiar as leis da física e a anatomia de suas motocicletas. Mas nenhuma dessas coisas mede tão bem o tamanho da desgraça quanto o volume do comércio no engarrafamento.

Água e pipoca no sinal é (pelo menos na região metropolitana do Hellcife) o que mais tem, frutas você encontra em alguns pontos da cidade e as flanelas são bem comuns, mas de acordo com o nível de paralisia da via as coisas mudam um pouco. A primeira coisa que muda é a distância do vendedor pro sinal/semáforo/farol. Quando você vê aquele vendedor de pipoca de sempre uns trezentos metros antes de onde ele normalmente fica pode apostar sem medo que o trânsito tá uma derrota. Outro indicativo é o aparecimento de coisas que não são vendidas normalmente, como por exemplo um restaurante que fica em uma das avenidas com trânsito mais potencialmente cabuloso do Recife e que, nos dias de trânsito mais pesado, coloca os funcionários pra vender galeto no engarrafamento. Recentemente uma galera que vende bolo de rolo a cinco reais se instalou na mesma avenida onde a galera vende galeto. Em outro ponto da cidade, segundo relatos de um amigo meu, outro restaurante vende pizza, isso mesmo, pizza para aqueles enganchados no trânsito. Não duvido que logo estaremos no patamar angolano, onde eu vi gente vendendo até cachorro no meio do trânsito.

Trânsito é uma bosta. Um engarrafamento do bom, daquele que quase triplica o tempo do nosso trajeto, tem o poder de drenar todas as nossas alegrias e esgotar as nossas mentes. Para minimizar isso eu recomendo uma carona que não seja mimizenta, até porque nenhum motorista precisa de alguém pra aumentar o nível de derrota daquela situação, ou alguma coisa que ocupe o tempo gerando o mínimo de entretenimento. Um conhecido meu começou a ouvir audiolivros, eu costumo ouvir podcasts, outros se aproveitam do rádio ou da televisão de suas centrais de mídia. Eu não recomendo muito ouvir música porque é uma maneira simples de você marcar o tamanho da demora que aquilo tudo está te causando, além de achar que nunca é muito legal colocar trilha sonora na desgraça. Mas a maior recomendação que eu dou é uma coisa que eu tento fazer sempre e em algumas vezes eu tenho sucesso: tente não esquentar a cabeça com coisas que fogem do seu controle. Até semana que vem

dinner

Contos de Segunda #90

Fernanda estava tentando controlar a raiva. A terapia estava começando a dar bons resultados e os acessos de fúria eram cada vez mais raros. Atualmente pouquíssimas pessoas tinham medo dela e menos ainda tinham motivos concretos para tanto. Uma dessas poucas pessoas era Cristina.

Fernanda e Cristina se conheciam desde sempre e, apesar de serem grandes amigas, as duas conheciam muito bem qual era o tamanho do pavio de cada uma, por isso elas sabiam quem chamar quando entravam numa briga. Não por acaso o contato de Fernanda no no celular de Cristina tinha o sugestivo nome de “Tropa de Choque”.

Cristina estava comprando o presente de aniversário da mãe quando recebeu uma mensagem:

“Tá afim de jantar hoje?”.

A mensagem era de Augusto, um cara com quem Cristina tinha saído umas três vezes. Ele não fazia muito o tipo de Cristina, mas tinha acabado de voltar da Europa e a moça estava começando a pensar no roteiro das próximas férias. Pelo menos os dois teriam bastante assunto. O encontro estava indo muito bem até que Augusto começou com um papo muito estranho sobre futuro, compromisso, relacionamentos e outras coisas que Cristina sabia muito bem onde iam dar. Era melhor dar um jeito de terminar logo aquele encontro.

— Desejam escolher uma sobremesa? — Disse o garçom ao recolher os pratos.

— Já passei do meu horário — respondeu a moça. — Só a conta por favor.

— Cristina, eu estive pensando muito nesses últimos dias… Pensando muito na gente — começou Augusto.

“Ah, não”, pensou ela.

O rapaz colocou a mão sobre a dela e olhou direto nos olhos da moça.

“Pelo amor de Deus… Não”.

— Faz tempo que eu quero assumir um compromisso, só faltava a pessoa certa.

Ela tirou a mão debaixo da mão dele.

— Não vai rolar, Augusto — cortou ela. — É melhor a gente só pagar a conta, eu pego o presente da minha mãe, entro num táxi e cada um segue o seu caminho.

***

O telefone de Fernanda tocou. Para a surpresa da moça, era uma ligação de Cristina.

— Oi, sumida — atendendeu Fernanda.

— Amiga, eu tô com um problema e preciso de uma ajudinha.

— Diz aí.

— Um cara me chamou pra jantar e quando a gente tava esperando a conta ele me pediu pra namorar com ele.

— E o que tem isso?

— Vamos dizer que eu… Dei um fora no sujeito e ele não aceitou muito bem.

— Ele fez alguma coisa contigo? — O tom de Fernanda estava mais sério.

— Não, mas lembra que tá chegando o aniversário da minha mãe?

— Sei.

— Eu comprei o presente antes de vir jantar e deixei no carro do sujeito. Agora ele não quer me deixar pegar.

— Onde vocês estão?

— Naquele restaurante que teu pai trazia a gente pra almoçar.

— Chego aí em um minuto, não deixa ele sair até eu dizer.

— Pode deixar — disse Cristina antes de largar o celular.

Ela estava tentando aplicar a variante mais desajeitada e ineficaz do mata-leão no ex-futuro namorado. Teria funcionado se Augusto não fosse uns trinta centímetros mais alto e Cristina soubesse o que estava fazendo.

— Me solta, sua louca — disse ele.

— Só depois de devolver o presente

— Eu não vou devolver nada.

Menos de um minuto depois o telefone de Cristina tocou.

— Oi — disse a moça.

— Deixa ele sair — respondeu Fernanda do outro lado da linha.

Imediatamente Cristina libertou Augusto da semi-imobilização. O rapaz entrou apressado no carro e saiu, mas não antes de colocar a cabeça para fora da janela e gritar.

— SUA DOIDA!

O carro de Augusto mal tinha colocado as rodas na avenida quando foi atingido por outro veículo no lado do passageiro. Ainda desnorteado pelo susto, Augusto olhou para o motorista do outro veículo. Atrás do volante estava uma moça, ela usava um colar cervical, um protetor bucal, igual ao que lutadores usam, e um capacete. Ela tirou o capacete, o protetor bucal, o colar cervical, abriu a porta e desceu do veículo carregando uma marreta. Deu a volta no carro e bateu de leve no vidro do lado do motorista com dois dedos. Augusto abriu.

— E aí, meu velho, tudo certo? — Fernanda estava sorrindo, um sorriso demoníaco demais para transmitir simpatia.

— Mais ou menos — respondeu Augusto ainda tentando processar o ocorrido.

— O negócio é o seguinte — começou ela. — O presente da mãe da minha amiga tá aí no teu banco traseiro e ela tá querendo de volta.

— Ela que compre outro presente.

Fernanda girou a marreta e estourou o vidro da porta de trás.

— Eu podia só pegar o presente, mas eu prefiro que você me entregue. Sabe como é, eu prefiro quando as pessoas colaboram comigo.

Alguns instantes depois Fernanda estava entrando no estacionamento com um sorriso no rosto e a sacola do presente na mão. Ao longe dava para ouvir o som dos pneus de Augusto cantando.

tie_fighter_explosion.0

Está Aberta a Temporada de Bombardeio

No início da semana a revista Entertainment Weekly fez um certo barulho na internet publicando uma série de imagens exclusivas do próximo Star Wars. Imediatamente eu senti um cheiro de 2015 no ar. Imediatamente eu soube que a temporada dos bombardeios estava aberta.

Em 2015 estava todo mundo comentando como os trailers de Star Wars Episódio VII não revelavam nada de concreto sobre o filme e de como todo mundo que faz trailer devia aprender com Star Wars. Não lembro exatamente quando começou, mas em algum ponto do ano o pessoal do marketing do filme começou a bombardear a internet com todo tipo de teaser, tv spot, featurette, trailer ou seja lá que nome você pode dar praquele tanto de coisa que foi disparado na cara do público. Isso sem contar os pôsteres, fotos e derivados. Apesar de simplesmente ignorar a imensa maioria do material de divulgação, eu me senti exatamente como esse Destroyer imperial na Batalha de Scarif.

tumblr_omzj2mTWhS1r72n6yo2_540

Foi então que eu me lembrei que não só de Star Wars viverá o nerd neste fim de 2017. Em outubro temos Blade Runner 2049, em novembro temos Thor: Ragnarok e Linga da Gutiça Liga da Justiça e só em dezembro chega o Star Wars Episódio VIII. Nada me tira da cabeça que a galera que trabalha no marketing desses filmes logo vai estar assim:

597d589cdb160_AAA2214.gif.6e9cbb1ee951abdee46d5a67203d6b3a

E se os estúdios sonharem que o público não tá confiando muito na qualidade desses filmes, aí a coisa fica ainda mais louca. Até porque se as pessoas estão em dúvida sobre suas expectativas, nada mais justo do que abrir a estação e embarcar todo mundo no trem no hype.

tumblr_lbsk6yXTSs1qdi3vso1_500

Caso você não esteja familiarizado com a expressão, deixe-me explicar. Muitas vezes as pessoas ficam muito ansiosas e empolgadas por causa de alguma coisa que está pra sair. Já no anuncio os fãs já começam a especular, depois saem as prévias, os teasers e os trailers. Fotos da produção, confirmações de elenco e mais e mais prévias. Toda essa expectativa, ansiedade e fantasia em cima da coisa que ainda não chegou recebe o nome de hype. Só que não é todo mundo que vai na onda, algumas pessoas são mais cautelosas e preferem manter um pé atrás. Por isso convencionou-se falar do hype como um trem, você embarca se quiser. Isso seria algo mais simples se não houvesse tanta safadeza por parte dos nossos brothers dos grandes estúdios.

Infelizmente a gente tá careca de saber que nossos amigos marqueteiros nem sempre tem um material legal na mão ou nem sempre sacam bem qual é a do filme e até mesmo acham que o filme não tem atrativos suficientes pra chamar o público. O resultado disso é que muitos filmes são vendidos errado, outros tantos perdem aquele momento impactante por causa das cenas que já saíram nos trailers e deixaram de ser surpresa e aqueles que tem TODAS as suas cenas boas mostradas antes pro público.

Seja você um passageiro do trem do hype, um daqueles que só vai ficar esperando na estação pelo próximo trem passar ou a pessoa que vai levar mais bomba que aquele pobre Star Destroyer o que interessa é que o fim do ano está chegando, os últimos blockbusters de 2017 já estão logo ali e a disputa será feroz. Se prepare que lá vem bomba.

agosto-pra-tudo-teaser

Faltam 351 Dias pra Agosto Acabar

Normalmente eu consigo me lembrar exatamente quando e como algumas ideias de tema pros posts daqui do Cachorros surgiram. Dessa vez eu não lembro, por isso a introdução desse tema vai parecer uma história contada por alguém que consumiu alguma substância estranha, mas é só falta de memória mesmo.

Outro dia estava em algum lugar da internet, não lembro exatamente, quando uma amiga minha, acho que sei qual amiga é, mas tô na dúvida se era ela mesmo, publicou uma imagem que eu acho que não era essa que eu vou colocar aqui embaixo, só que era muito parecida.

meme1

Quase dois anos atrás eu fiz um post sobre o glorioso mês de Agosto, mas na ocasião eu estava tão preocupado em ostentar minha antipatia pelo mês oito que deixei um aspecto muito importante passar batido: Agosto tá na lista dos meses mais longos do ano. “Mas, Filipe, Agosto tem 31 dias, metade do calendário tem 31 dias”. Exato, querido leitor, metade do calendário possui 31 dias, mas alguns meses possuem uma habilidade maior para fazer o tempo render. Março, Julho, Agosto e, dependendo do ano, Outubro também faz o tempo render, mas nenhum desses meses têm o mesmo perfil do nosso querido Agosto.

Março é a ressaca do Carnaval, ou o mês do próprio Carnaval, e também a preparação pra Páscoa, ou o mês da própria Páscoa, se mostrando um mês bem versátil com uma variação razoável de um ano pra outro. Julho é um mês de férias escolares, isso quer dizer que boa parte das atividades diárias é facilitada pela ausência de xofens estudando, quer dizer também que ninguém tem muita pressa pra que acabe logo esse mês. A longevidade de Outubro depende muito do ano, do Outubro e de você, portanto não vamos atribuir um motivo realmente claro pra acontecer essa elasticidade cronológica no nosso amigo mês dez. Aí voltamos pra Agosto, um mês sem feriados que impõe uma rotina praticamente uniforme e sem muita diferença entre um dia e outro. O resultado disso é que em Agosto nos sentimos assim:

memeagosto4

agosto

memeagosto3

Mas dessa vez temos uma ajuda muito bem vinda. Nosso amigo 2017 meteu o pé no acelerador e já fez passar um terço desse mês tão longo. Tudo me leva a crer que em 2017 teremos o Agosto mais rápido de todos os tempos, mas ainda é cedo pra falar… Ainda faltam 351 dias pro final de Agosto.

blacklight_retribution

Contos de Segunda #89

    Espaço, a fronteira final. Depois de milênios se lançando ao espaço a humanidade finalmente ocupou todo o Sistema Solar, mas não foram só os membros valorosos de nossa espécie que alcançaram as estrelas. Uma grande variedade de trapaceiros, ladrões, contrabandistas e piratas proliferaram por todas as órbitas. Dentre os criminosos mais procurados poucos eram tão famosos quanto Jeannie Nitro, capitã da Combatente 69.

    Depois do assalto ao cargueiro perto de Marte, Jeannie e sua tripulação foram para a Lua. No passado apenas um satélite natural, no presente a maior metrópole do Sistema Solar e a maior concentração de escória e vilania que a humanidade já viu. Foi nesse local tão agradável que Jeannie aguardou semanas pelo contato do seu cliente, o homem que pagou uma fortuna para que ela roubasse um contêiner. Um pequeno, que tinha uma trava com senha. Normalmente esse tipo de trabalho era fácil, mas a aparição de dois cruzadores da Frota Marciana deixaram a Capitã Nitro com a pulga atrás da orelha.

    O encontro foi marcado em um dos bares mais conhecidos da área portuária da Lua. Jeannie estava acompanhada por Sheila e Dolly. Normalmente a capitã preferia ir acompanhada de Charles Chacal, seu copiloto, e Lupe Brown, sua especialista em navegação e comunicação, mas os dois tinham ficado na nave junto com Walter Grace, o engenheiro da Combatente 69. Algo não estava cheirando bem e poucas pessoas no Sistema Solar eram tão boas com uma arma na mão quanto Sheila e Dolly Adaga. As três mal foram notadas quando chegaram no bar e ocuparam uma das mesas mais afastadas.

— O contato vai chegar em dez minutos — começou a capitã. — Ele quer falar comigo em particular, então vocês vão trabalhar no nosso plano de fuga.

— Acha mesmo que as coisas vão esquentar, capitã? — Perguntou Dolly.

— Algo me diz que sim, mas vamos esperar pra ver. Já passaram nossa posição pro pessoal que ficou?

— Coordenadas transmitidas, capitã — respondeu Sheila.

— Coordenadas recebidas, capitã — disse Lupe no comunicador.

— Então saiam daqui, fiquem de olho em qualquer coisa suspeita e não arrumem confusão.

Jeannie ficou de olho no ambiente. Sentada de costas para a parede ela observava todos ao redor em busca de alguém que parecesse estar de olho nela. Foi quando um androide se aproximou e puxou uma cadeira. No lugar do rosto ele tinha uma tela e a constituição frágil indicava que ele não tinha outra função além daquela.

— Saudações, Jeannie Nitro.

— Você é o meu contato?

— Negativo. Assim que a segurança da conversa for garantida iniciarei a transmissão. Por favor, coloque estes fones de ouvido — o androide estendeu a mão oferecendo duas peças gêmeas para a capitã.

— O microfone foi adaptado para embaralhar a sua voz, nenhum dos presentes entenderá uma palavra do que será dito por você.

A capitã obedeceu. Posicionou os fones sobre as orelhas e observou quando a tela que servia de rosto para o androide começou a mostrar um homem parcialmente encoberto pelas sombras.

— Fico feliz de saber que o assalto deu certo, capitã.

— Eu poderia estar feliz assim, mas depois de esperar quase um mês por um mísero contato o meu humor não está dos melhores.

— Precisava ter certeza de que sua nave não tinha sido rastreada até aí.

— Demorou um mês pra ter certeza?

— Não. Demorou um mês para que os agentes da Frota Terrestre baixassem a guarda. Sua nave não foi rastreada, mas a Lua tem olhos e ouvidos demais. Não demorou nem duas semanas para que soubessem que estava aí, mas eles precisavam saber o que aconteceu com o item roubado, por isso esperaram.

— Só me faltava essa…

— A operação de cerco está sendo desmobilizada hoje, é justamente por isso que os agentes estão indo aí te encontrar. É a última chance deles antes de serem realocados para outra operação.

— Porque não me avisou?

— Se você soubesse já teria tentado fugir daqui. Eu precisava dar um jeito de chamar a atenção deles e nada melhor do que Jeannie Nitro em um bar. Sozinha, sem o menor sinal da sua tripulação ou da sua famigerada nave. As naves de patrulha partiram assim que foi decidido que apenas os agentes de campo seriam suficientes.

— Então você preparou a fuga da minha nave, mas pra isso me usou de isca?

— Não se coloque nessa posição indigna, Nitro. Tenho certeza que a última coisa que os agentes de campo vão conseguir fazer é te prender.

— Quanto tempo eu tenho?

O homem olhou para o relógio.

— Dois minutos.

— Pra onde eu devo ir depois que eu sair daqui?

— Marte. O androide vai fornecer as coordenadas.

O autômato entregou um cartão de dados.

— Seu tempo está acabando, Jeannie. Boa sorte, nos vemos em Marte.

A capitã sacou a pistola. Um disparo atingiu o torso e outro atingiu a cabeça do androide. Várias armas foram sacadas e destravadas. Todos os olhos estavam em Jeannie Nitro e na carcaça fumegante do pobre mensageiro mecânico, mas por poucos segundos. Cargas explosivas cuidadosamente posicionadas detonaram uma das paredes do bar. Linhas vermelhas de luz cruzaram a poeira da explosão poucos instantes antes de uma dúzia de operativos com rifles de assalto. Um dentre eles levantou a voz e ordenou:

— Todos no chão! Jeannie Nitro, jogue suas armas no chão e saia com as mãos para cima.

Jeannie paralisou por um segundo, a situação estava se complicando mais rápido do que esperava. Como se não bastasse precisar fugir da Lua ainda precisaria chegar à superfície de Marte. O som de um disparo cortou os pensamentos da pirata. Um dos clientes do bar foi alvejado, um segundo depois os demais abriram fogo. Jeannie virou a mesa e se jogou por trás dela. Tiros zuniam por todos os lados, mas nenhum atingiu a mesa, aparentemente ela ainda não tinha sido avistada pelos agentes.

— Capitã? — Chamou Dolly pelo comunicador.

— Na escuta.

— Capitã, não consigo entender — respondeu Sheila. — Eles devem estar interferindo… Estamos atrás do balcão, identificamos uma rota segura, mas a senhora precisa vir pra cá.

O balcão ficava do outro lado do salão. Ela só precisava correr. A pirata se levantou olhou para o objetivo e saiu correndo. Disparou algumas vezes contra os agentes na esperança de atingir alguns deles. As irmãs Adaga demoraram um pouco para perceber o que sua capitã estavam fazendo, mas assim que perceberam o que estava acontecendo descarregaram suas armas nos soldados do governo.

— Capitã, precisamos ir para o banheiro — disse Dolly disparando uma rajada contra os inimigos

— Banheiro?

— Tua voz tá embaralhada, Capitã — respondeu Sheila quando tirou o pino da granada de fumaça e atirou contra os agentes.

Jeannie finalmente lembrou dos fones e os arrancou das orelhas.

— O que tem o banheiro?

— Vamos abrir a saída lá — respondeu Dolly. — Vão na frente, eu dou cobertura.

Sheila e Jeannie saíram correndo na direção do banheiro, Dolly chegou logo depois.

— E agora? — Perguntou a Capitã.

— Cubram os ouvidos  — respondeu Sheila antes de acionar o detonador.

Uma das paredes do banheiro explodiu, revelando o beco que ficava por trás do bar. As três saíram correndo pela passagem recém aberta

— Charles? — Perguntou Dolly.

— Na escuta.

— Vem logo pegar a gente — ela fez uma pausa por causa de alguma outra explosão dentro do bar. — Saímos do bar, você vai precisar corrigir nossa localização.

— Assim que estiverem paradas transmitam as coordenadas novas — interrompeu Lupe. — Faremos a correção da localização pelo sinal de emergência da Capitã.

— Entendido — respondeu Jeannie acionando o sinal de emergência do comunicador.

Elas saíram do beco na direção da rua principal, mas os soldados estavam por todo lugar. Veículos leves sobrevoavam os prédios anunciando o nome da capitã nos alto falantes. As três correram pelo beco, entraram pela porta de trás de uma loja  e saíram pela vitrine. Correram pela rua, subiram em uma passarela e se jogaram sobre um telhado próximo.

— Charles, cadê você? — Disse Nitro.

— Trinta segundos, Capitã. Somos grandes demais pra manobrar rápido no meio desses prédios.

— Inimigo chegando, Capitã — alertou Sheila.

Atiradores estavam nos telhados próximos. Os veículos leves disparavam sem precisão suas armas automáticas. Dolly deu um tiro certeiro na cabeça de um dos pilotos, o veículo descontrolado caiu bem perto delas, erguendo uma cortina de fumaça escura. Sheila foi atingida no ombro e outro tiro pegou de raspão na testa, Dolly estava mancando e aparentemente a munição estava no fim. Jeannie descarregou o último pente em um agente que estava descendo por um cabo pela fachada do prédio ao lado.

— Capitã? — Perguntou Walter. — Estamos em posição, vou acionar a arma magnética.

— Rápido, Walt!

As três mulheres foram puxadas do telhado no instante em que a Combatente 69 fazia um rasante sobre o edifício. O fogo choveu sobre a nave, mas por poucos instantes. Segundos depois ela já estava fora do setor orbital da Lua.

O comunicador interno da nave tocou, era Lupe.

— Qual a nossa próxima parada, Capitã?

— Marte — respondeu a capitã. — Próxima parada, Marte

shutterstock_134436836

Não Quis Peidar Na Casa da Namorada e Morreu

Ontem estava eu em minha residência quando minha mãe me perguntou se eu sabia do caso de um jovem mexicano que segurou o peido até morrer. Estarrecido por um evento tão trágico, peculiar, mas ainda assim trágico, fui olhar nas internets e me deparei com manchetes desse calibre:

Capturar

Curiosamente essa notícia só foi veiculada por sites de notícia menores e no Facebook, provavelmente por gente que compartilhou as notícias desses mesmos sites. Se você quiser saber mais sobre essa história e ainda de quebra ver alguns motivos para não segurar a flatulência, clique NESSE LINK AQUI.

O ocorrido foi o seguinte: nosso amigo mexicano, identificado apenas como Jorge M., foi visitar sua namorada perto da hora do almoço. Não sei se ele já tinha essa intenção, mas acabou sendo convidado para almoçar com a namorada e a sogra. Segundo relatos a refeição em questão exigiu bastante das capacidades digestivas do pobre Jorge e seu corpo começou a produzir uma quantidade inesperada de gases. Como o espaço disponível nos intestinos é limitado, o gás pediu pra ser liberado e foi nesse momento que Jorge teve a péssima ideia de não deixar o gás sair. Não sei se o namoro dele era recente ou se ele nunca tinha ido pra casa da namorada, mas o jovem mexicano não quis passar a vergonha de liberar os gases na casa da sua amada e sacrificou o próprio bem estar em nome da reputação. Até aí tudo bem, dá pra entender os motivos do sujeito, mas o tempo passou e perto das oito da noite Jorge, que ainda estava na casa da namorada, caiu no chão com dores abdominais fortíssimas. Foi levado ao hospital, mas não resistiu à uma parada muito louca que deu no intestino dele por causa do acúmulo de gases e morreu.

Vamos pensar um pouco. O cara foi almoçar na casa da namorada, ficou com vergonha de peidar e segurou a onda, não conseguiu um momento livre de testemunhas para liberar os flatos, manteve sua vontade inabalável até o momento em que seu corpo desistiu e entrou em colapso, quase oito horas depois. Olha…

ULXUQQd

Esse ser humano tá de parabéns. Ele não só fez uma coisa complicada, ele provocou o colapso do próprio intestino e MORREU pra não passar a vergonha de peidar na frente da namorada. Ele não conseguiu dar uma chegadinha no banheiro? Não conseguiu inventar uma desculpa pra voltar pra casa mais cedo e sair peidando pela rua? E que peido nefasto é esse? O cara tinha comido alguma coisa morta? Alguma coisa viva que morreu e apodreceu dentro dele? Ele tinha alguma doença que transformava o peido dele numa nuvem de veneno mortal? Ou será que ele tinha apenas o costume de segurar o gás e essa foi a gota que transbordou o copo? Impossível responder, mas o resultado tá aí e com ele uma valiosa lição pra todos nós.

Passar vergonha é uma bosta. Vergonha é uma sensação terrível e muita gente prefere uma topada com o dedinho na quina da cama do que passar um pouco de vergonha. Ninguém quer se queimar com a galera por causa de uma besteira, mas até que ponto estamos dispostos a suportar qualquer tipo de sofrimento para evitar a vergonha? Jorge M. era só um carinha mexicano que não queria peidar e acabou morrendo por causa disso. Não quero nem pensar quanta gente tá morrendo por ter vergonha de fazer coisas que são tão naturais quanto respirar.

Em-ritmo-de-fuga-poster

Fui Ver Sem Saber e Olha No Que Deu

Essa semana assisti aquele que já é um dos melhores filmes de 2017, Baby Driver ou, na versão brasileira Herbert Richards, Em Ritmo de Fuga. Eu poderia falar de como o filme é sensacional e dar alguns vários motivos pra você que está lendo isso aqui partir imediatamente para o cinema mais próximo pra ver esse filme. Eu não vou fazer isso porque surgiu a chance de falar de algo sobre a minha história com esse filme e com alguns outros.

Tudo começou quando eu fui ver o filme novo do Homem-Aranha. Por causa de alguns problemas logísticos acabei entrando na sala já no meio dos trailers, o trailer de Em Ritmo de Fuga terminou exatamente quando eu sentei na cadeira, mas pela reação de uma das pessoas que estavam comigo percebi que aquele não era só mais um trailer. Os dias passaram e vários dos veículos de mídia que eu consumo começaram a publicar suas críticas (extremamente) positivas sobre o filme. De fato não li mais do que a chamada das resenhas, mas comecei a notar que esse não era só mais um dos blockbusters do verão americano. O filme estreou e eu fui dar uma sacada nas notas dele por aí, todas elas bem altas, nesse ponto eu já estava pra comprar o meu ingresso motivado pela pura curiosidade de assistir ao filme que eu não fazia a mínima ideia do que se tratava.

Fui lá. Vi o Filme. Achei maravilhoso e, depois de passar a sensação de ser atropelado por aquela obra cinematográfica, comecei a pensar.

A internet mudou muita coisa nas nossas vidas, talvez a principal delas foi a forma como conseguimos nos informar sobre as coisas. Hoje em dia os livros que não saíram têm prévias divulgadas pelas editoras, se é material traduzido você pode facilmente obter o material estrangeiro pra dar uma avaliada, provavelmente o primeiro lugar onde vemos um trailer de um filme novo é o YouTube e pra ler uma resenha ninguém precisa mais comprar um jornal ou uma revista. Quantas vezes já fomos ao cinema sabendo tudo sobre um filme? Quantas vezes a quantidade de críticas negativas te fez economizar o dinheiro do ingresso?  Quando foi a última vez que você parou na frente do cinema, olhou o que estava em cartaz e foi ver um filme do qual você não sabia absolutamente nada? Para entendermos melhor o tamanho da mudança precisamos lembrar como as coisas eram e pra ilustrar bem eu vou contar uma historinha.

Um dos maiores traumas da vida da minha querida mãe envolve um dos filmes da franquia Alien. Uma vez ela me contou de como foi levar meus tios pra assistir o filme, na verdade de como ela foi enganada por eles, já que nunca que ela veria um filme daqueles por livre e espontânea vontade. Até hoje ela lembra do alien saindo do peito do cara com uma dose de terror no olhar. Fui lá apurar a história pelo outro lado, perguntei ao meu tio por que ele tinha enganado minha mãe só pra ver aquele filme, a resposta foi bem interessante. Na prática ele não enganou ninguém, já que ele não sabia nada sobre o filme. Segundo ele a forma que as pessoas escolhiam o que iam ver no cinema era bem simples: você abria o jornal, via o cartaz do filme, com sorte conseguiria identificar o nome de algum dos atores ou do diretor, olhava o horário e ia pro cinema. Hoje em dia ainda dá pra fazer isso? Dá. Você tem opção de não fazer as coisas desse jeito? É lógico que tem, mas antes não existia essa possibilidade.

Pra terminar só digo que vale a pena dar uns tiros no escuro de vez em quando. Vá lá ver sem saber de nada, sem compromisso e esteja aberto pra receber aquilo que aparecer na tela… A menos que o ingresso esteja muito caro, se o ingresso estiver caro não faça isso, espere sair no Netflix.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén