Cachorros de Bikini

Coisas bestas da vida tratadas com o cuidado que elas merecem

Ovo de Páscoa de PlayStation

Estamos contando vinte e quatro dias depois do carnaval e isso quer dizer que já percorremos mais da metade do caminho até a Páscoa. Com a proximidade dessa celebração religiosa tão tradicional, as lojas já estão entupidas de toda a sorte de ovos de chocolate. A cada ano tem mais e mais tipos de ovos, mais e mais ovos de algum personagem, marca, série, filme ou desenho animado. Normalmente com alguma surpresa dentro. Até aí nada muito diferente do que já estamos acostumados, mas um belo dia tive uma surpresa. Não mais que de repente me deparo com essa imagem aqui.

OVO-PASCOA-PLAYSTATION-150G-DELICCE-R-5999Antes de discorrer sobre o assunto, me deixem dar os parabéns pra quem teve essa ideia maravilhosa de fazer um ovo com a temática PlayStation. O mais engraçado é que o ovo não é temático dos jogos exclusivos de PlayStation ou ostenta algum personagem icônico dos video games. Esse ovo é uma ode ao console, ao aparelho, ao equipamento, ao hardware. As pessoas estão literalmente comprando o ovo de uma coisa que serve apenas pra rodar os jogos. Sério, quem teve essa ideia merece palmas.

ULXUQQd
Antes de começar a analisar o ovo em questão, vamos fazer uma pequena pausa para analisar os ovos de maneira geral.

Todo mundo sabe que ovo de Páscoa é uma das paradas mais cretinas que existe na face do planeta. Os ovos que a gente encontra normalmente nas lojas de departamento, super mercados e afins, não passam de uma forma das fábricas venderem o mesmo chocolate de sempre por preços absurdos. Digo absurdos porque quando o ovo vem com algum brinquedo dentro, o preço dá uma subida meio violenta. Os mais afetados pelos ovos com brinquedo dentro são as crianças e seus pais. Os pais sofrem porque o preço desses ovos são um verdadeiro assalto e as crianças sofrem porque, depois de todo esforço desprendido pra convencer o pobre pai/mãe que gastar uma quantia obscena de dinheiro em um ovo de chocolate é uma boa ideia, elas abrem o maldito ovo e o brinquedo é uma bela de uma bosta. Normalmente a qualidade, ou funcionalidade, do brinquedo é muito inferior à de uma surpresa do McLanche Feliz, por exemplo. E só depois de estabelecer isso é que chegamos ao ponto crítico da questão.

Não sei se vocês repararam, mas na caixa do ovo tem um joystick de PlayStation. Olhe de novo e você vai ver que esse joystick na verdade é um relógio digital no formato de um controle de PlayStation 4. Aí eu pergunto:

0jexud

Sério? Sério que o brinde que vem num ovo temático de vídeo game é um RELÓGIO? Pessoas vão chegar em uma loja, olhar pra esse ovo de CENTO E CINQUENTA GRAMAS, vão ficar com vontade de comprar esse negócio, até porque todo mundo quer um relógio na forma de um controle de vídeo game, vão olhar o preço maravilhoso de SESSENTA REAIS e vão achar que estão fazendo um bom negócio?

Faz um tempo que eu aceitei que as coisas não estão fazendo mais o mínimo sentido e cada vez mais eu fico convencido que a humanidade tomou um caminho sem volta para a loucura total e depois dessa do ovo eu tenho um pouco mais de certeza. Pra terminar eu vou fazer um cálculo seguindo a tradição da Páscoa. Com uma conta ligeira eu constatei que com o dinheiro de três ovos do PlayStation, que vem com relógios no formato de controle, dá pra comprar um controle de verdade. Pense nisso e até semana que vem.

Sem comentários »

Os Planos (Problemáticos) de Fim de Ano

    Uma das coisas mais comuns no final do ano é ter um plano. Uma programação, uma tradição, algo que se repete ritualisticamente a cada doze meses. Como dezembro tem toda aquela vibe de união das pessoas e derivados, o mais comum (e mais óbvio) é reunir a família pra todo mundo passar junto essa época bonita que antecede o falecimento de mais um ano. Só que, assim como tudo que envolve família, essas atividades lúdico-alimentícias são potencialmente problemáticas.

    Existem famílias de várias formas, tamanhos, cores e sabores. E é justamente por causa dessa diversidade que nem sempre estar com a família é uma atividade prazerosa. Primos que você não gosta, tios que fazem perguntas constrangedoras, agregados inconvenientes e aqueles parentes que não se bicam travando uma guerra fria que por pouco não vai virar um apocalipse nuclear. Talvez isso não aconteça com você. Talvez a sua família não tenha nenhum dos arquétipos listados acima, mas o que pega todo mundo é justamente o dever, quase a obrigatoriedade.

    “Esse ano eu nem queria ir”. Essa frase já pode ter saído pela sua boca ou entrado pelos seus ouvidos. Mas a realidade é uma só: boa parte dos problemas das programações de fim de ano está no simples fato da programação existir. Vamos exemplificar pra ficar mais claro. Imagine que você faz algo todo ano com a sua família, agora imagine que apareceu algo que você quer muito fazer com pessoas que não são da sua família. Imaginou? Agora sabe do que eu estou falando. Por isso as pessoas relutam tanto em mudar as tradições de fim de ano, porque o natural do ser humano é evitar problemas pra si mesmo, um instinto de autopreservação que está em todos nós… Só que uma das coisas que o ser humano faz melhor é desafiar os seus instintos e por isso entramos no lado B da história.

    Muitas das atividades de fim de ano, mesmo as ruins, são perfeitamente administráveis ou no mínimo suportáveis, mas todas elas têm potencial pra se tornar bem pior do que já é. Uma forma excelente de fazer isso é introduzir um amigo secreto no meio dos festejos. E, como eu já falei no ano passado, amigo secreto pode ser um prazer ou um suplício. Em condições ideais de temperatura e pressão, você vai fazer a brincadeira em um ambiente onde todas as pessoas se conhecem e todos podem dizer o que querem. Normalmente o que acontece é que você não tira a pessoa que seria fácil de dar presente e termina tirando aquela sua tia que você (e todo mundo) só vê no Natal. E se for na pior das situações possíveis vai rolar um daqueles amigos secretos onde cada um leva um presente, os amigos secretos são tirados na hora e o limite de valor é cinquenta reais.

    “Não acredito que você não vai” é uma frase que já deve ter saído das nossas bocas ou entrado nos nossos ouvidos. Como um defensor das tradições familiares, eu nunca cheguei a ouvir, mas entendo perfeitamente o dilema vivido por nós quando precisamos decidir entre seguir os hábitos ou tentar algo diferente. E, a menos que seja uma experiência realmente desgraçada, recomendo que você opte pela família sempre que possível. Nunca passe mais de dois anos seguidos longe dos ritos do seu clã e tente ao máximo não criar problemas pra você mesmo. O final do ano já pode ser uma época bem ruim sozinho, ele não precisa da sua ajuda pra ficar pior.

1 Comente »

Quarta-feira Feriado

    Hoje é quarta-feira. Hoje também é feriado. Provavelmente já saiu alguma publicação do Cachorros de Bikini em uma quarta de feriado, mas como eu já falei do Dia de Finados no ano passado, achei por bem terminar o dia de folga com um comentário breve sobre esse evento tão trivial. Hoje vamos falar dos feriados de quarta.

Uma das coisas que comprovam que o cérebro do ser humano não é lá grande coisa é a nossa capacidade de ser enganado pelos padrões. A repetição e a rotina acabam deixando nosso cérebro meio acomodado e ele acaba só gastando energia pra processar aquilo que aparece de diferente. Boa parte da nossa vida foi pré-renderizada pelo nosso cérebro e se algo muda no meio da repetição da nossa rotina simplesmente nosso cérebro não processa. E a forma como o feriado da quarta-feira deixa isso claro chega a surpreender.

Normalmente feriados que acontecem na primeira ou na segunda metade da semana têm gosto de feriadão. Nem sempre dá pra rolar o velho emprensado, mas dentro das nossas cabeças o sábado juntou com a quinta e a terça com o domingo. Já a quarta-feira está tão longe dos extremos da semana que o máximo que ela consegue causar é confusão. Começa que uma semana que tem feriado na quarta pode ou não ter duas terças e duas sextas, ou uma de cada em posição trocada. Muitas vezes a terça é vista como uma sexta antecipada, justamente por ser antes da folga, e a sexta chega quase como uma terça por ser o segundo dia depois da folga. O que acaba acontecendo é que a semana termina antes de nos darmos conta que não começamos outra semana. De fato a sexta-feira menos sexta-feira é a que vem depois do feriado da quarta. Mas basta prestar um pouco mais de atenção no calendário que a percepção de tudo isso volta ao normal. Meio doido, né?

Na prática o feriado da quarta transforma o resto da semana em uma espécie de Gato de Schödinger do calendário. Os dias podem ser eles mesmos ou podem ser outros e ainda sendo eles mesmos. Depende exclusivamente do observador.

2 Comentários »

Sério Que Já É Natal?

Primeiramente fora Temer preciso dizer que esse texto está algumas semanas atrasado. É bem provável que ele tivesse bem mais efeito se fosse lançado pelo menos uns quinze dias antes, mas como eu tinha algumas outras inutilidades pra usar de tema acabado de sair de um hiato de um mês e não tive essa ideia antes tinha outros temas mais importantes pra falar esse daqui acabou ficando pra depois.

Estamos em outubro, também conhecido como décimo mês do ano, e todo mundo sabe que daqui a dois meses estaremos celebrando o Natal. Também é sabido que no Natal as pessoas usam enfeites diversos que fazem alusão à coisas que o comercial da Coca-Cola e os filmes da Sessão da Tarde ensinaram que fazem parte do Natal. Até aí tudo normal, pelo menos até eu reparar que estamos em outubro e já tem enfeite de Natal no meio da rua desde o começo do mês.

Sério isso? Sério que já tem enfeite de Natal por aí? A primeira parcela do décimo terceiro nem caiu na conta e já tem pisca-pisca? As crianças nem enjoaram de brincar com os presentes do dia 12 e já tem guirlanda pendurada? As confraternizações ainda nem foram marcadas, a maldição do amigo secreto não retornou e já tem árvore de Natal por aí?

Do jeito que as coisas vão o Natal vai acabar que nem os modelos novos de carro. Em Abril já tem modelo de carro saindo como modelo do ano que vem. Se continuar nesse ritmo o que vai definir a data é se a páscoa cai em março ou abril. Convenhamos que ficaria estranho colocar os enfeites da festa que celebra o nascimento de Jesus antes de relembrar a morte e comemorar a ressurreição dele. Caso contrário seria uma versão do Tarantino pro nosso calendário.

É bem possível que tudo isso seja pressa pra terminar o ano. 2016 tá um ano meio cabuloso e já tem gente querendo pular pra 2018. Se não dá pra pular tanto assim o que resta é dar a dica pra ver se 2016 entende a indireta e termina antes do tempo. Vai ver que estão sem lugar pra guardar os enfeites e assim que podem já tão colocando os penduricalhos na rua pra otimizar o espaço. Foi assim que o boneco que efeita o escritório que eu trabalho passou quase cinco anos comemorando todos os feriados, inclusive o Natal.

Depois de tanto conjecturar não chego a uma conclusão. Não sou especialista em ciclos comemorativos ou conheço a lógica por trás das decisões dos donos das lojas e demais estabelecimentos comerciais. Só acho que a gente já vive rápido demais, não precisa apressar ainda mais as coisas.

1 Comente »

Criança Feliz Quebrou O Nariz

Hoje estava eu matutando sobre a vida, o universo e tudo mais quando lembrei que em outubro do ano passado este humilde blog estava de recesso. Foi por causa disso uma das datas mais importantes do nosso calendário não apareceu nas nossas páginas azuladas, mas eis que o nosso amigo calendário nos dá a oportunidade de falar sobre essa data maravilhosa em tempo real. Afinal hoje é 12 de outubro, hoje é Dia das Crianças.

Caso você esteja pouco familiarizado com o termo ou não esteja ligando o nome à pessoa, uma criança é um ser humano em seus anos iniciais de vida. Suas características principais são a estatura inferior à dos adultos do seu grupo familiar, inocência, imaturidade, imaginação fértil, uma compreensão abstrata e pouco convencional da vida, imunidade à repetição de desenhos animados, músicas e filmes, e a perda periódica dos dentes. Além disso as crianças possuem o poder mutante de se livrar miraculosamente de uma morte certa. Essa habilidade foi desenvolvida por causa da atuação feroz da força gravitacional sobre elas, fazendo com que o infante passe boa parte da sua vida infantil beijando o chão

Diante da singularidade desse ser tão exótico, chego à conclusão de que um dia dedicado à elas é até bem justo, já que existe dia do homem praticamente todas as categorias tem um dia pra chamar de seu. Principalmente por que acaba fazendo todo mundo lembrar um pouco de como é ser criança.

    Nem todo mundo deixa de ser criança. Nunca antes na história da humanidade as pessoas foram tão imaturas ou passaram tanto tempo pra amadurecer, mas o focinho adulto que vemos no espelho colabora pra encurtar a nossa memória e acabamos esquecendo que aquele pirraia catarrento não só está bem vivo por baixo da nossa pele, mas também que não nos tornamos pessoas muito diferentes da nossa versão mais jovem. E é no dia 12 de outubro que paramos pra aquecer nosso coração com as nossas lembranças dos primeiros anos das nossas vidas.

    Mais do que o dia para as crianças, o 12 de outubro é uma celebração da infância. Um momento pra recordar, pra presentear seu infante preferido ou simplesmente uma oportunidade de colocar uma foto antiga no Facebook. Pra finalizar eu gostaria de pedir desculpas aos meus amigos católicos, mas pra mim o feriado do dia 12 de outubro sempre vai ser por causa do dia das crianças.

 

1 Comente »

Fogos!

Mais uma vez chegamos ao 24 de Junho, dia de São João, uma das maiores festividades deste lado do universo e de longe uma das minhas épocas preferidas do ano. E talvez os maiores protagonistas desse festejo todo  sejam os fogos de artifício.

Quando pensamos em fogos de artifício nos vem à mente aquela coisa bonita inventada pelos chineses, que nos deixa encantados com tamanha beleza ao iluminar o céu com suas cores diversas e efeitos variados. Tirando uma ou outra exceção, na prática os fogos fazem barulho e só. Os fogos mais elaborados são muito caros ou apresentam um potencial destrutivo muito baixo, por isso são sumariamente ignorados ou comprados em pequena quantidade. Afinal a principal função dos fogos é ajudar a simular um conflito armado.

Quando Junho chega um instinto coletivo desperta nas pessoas. Não acontece com todo mundo, mas uma boa quantidade de gente começa a sentir uma necessidade extrema de comprar artefatos pirotecnicoexplosivos com formas e potências variadas para criar as mais ruidosas explosões no dia do principal santo do mês seis, de modo que o barulho da noite do dia 23 poderia ser usada como efeito sonoro de algum filme de guerra. Bombas grandes, pequenas, palitinhos, traques de massa, espirros de bode, peidos de véia são alguns dos nomes dados aos pipocos de São João. Obviamente existem os foguetes e rojões que figuram o céu nublado do dia 23, normalmente com algumas poucas cores e bastante barulho.

    Tais artefatos normalmente são trazidos pelos mais peculiares comerciantes e estabelecimentos. Não preciso nem dizer que algumas muitas normas de segurança são ignoradas e que boa parte dos comerciantes não está capacitado para vender artefatos inflamáveis e explosivos, vide as instruções capengas que eles costumam dar ao questionados sobre o manuseio de fogos mais elaborados e a propaganda que eles fazem dos produtos com frases do tipo “esse aqui um menino usou pra explodir o banheiro de uma escola lá em Jaboatão”.

Pra mim os fogos são parte do tempero que dão o gosto de infância pro São João. Dependendo do ano é possível andar na rua e sentir o cheiro de pólvora desde o final de maio, cheiro que me avisa que essa época boa do ano tá chegando.

1 Comente »

Um Feriado Muito Doido

Um dos principais feriados do ano é o feriado da Páscoa. Essa data comemorativa flutuante só perde para o carnaval no ranking de preferência da nação por celebrações que não tem dia do ano certo pra acontecer. Mas tem uma coisa sobre a nossa querida páscoa que costuma fugir do nosso radar: a Páscoa é um feriado muito doido.

    Nesse momento você deve estar pensando em como é horrível afirmar uma barbaridade dessas. Talvez seja, mas existem argumentos bastante válidos que me levam à essa conclusão. Começa que a data da Páscoa é determinada a partir do fim do Carnaval. Qualquer data que tenha como referência o Carnaval deve ter no mínimo a sua credibilidade contestada. Isso tem a ver com o esquema do calendário lunar, que não casa nunca com o nosso calendário regular. Alguma coisa com a segunda lua nova depois do solstício de uma estação, aí faz a conta de trás pra frente, considera a margem de erro (para mais ou para menos) e vê se o Carnaval cai em fevereiro ou março e se a Páscoa cai em março ou abril.

    Outro ponto doido da Páscoa tem relação direta com o significado por trás do feriado. “Ah, Filipe, mas essa de significado é tranquila, super normal” você pode me dizer, mas não é bem por aí. Hoje quem é cristão lembra do sacrifício de Jesus, mas no tempo de Jesus ele lembrava de Moisés tirando os hebreus do Egito. Além disso eu já ouvi falar que muitos povos celebravam alguma coisa nessa mesma época de quarenta dias depois da segunda lua nova depois do solstício de alguma coisa, é um tipo de data chave que servia pra todo mundo. E isso por que ainda não falamos do fato da Páscoa sofrer o mesmo problema do Natal.

    O Natal, também conhecido como a data que resolveram adotar pra comemorar o aniversário de Jesus, sofre de uma grave distorção prática de significado. Obviamente todo mundo sabe desse esquema de “Já nasceu o Deus-Menino para o nosso bem”, mas isso acaba servindo como desculpa pra juntar a galera, fazer amigo secreto, confraternizar, fingir que gosta de algumas pessoas e tudo aquilo que sabemos que rola no final do ano. Com a Páscoa não é muito diferente, só que é um pouco pior. Até dá pra entender esse lance dos cristãos pegarem uma festa judaica e inserirem um novo significado. Também não é muito difícil sacar a lógica de comer peixe e beber vinho, afinal peixe era comida de Jesus e vinho era a coca-cola da palestina, mas em algum momento dessa história entrou coelho, ovo e chocolate no meio e eu parei de entender as coisas.

Como o chocolate entrou até dá pra entender, afinal ovo sabor ovo é muito sem graça e deixa as crianças meio chateadas e tal, não rende um presente muito bonito e não gera tanto emprego e renda pro povo, mas o coelho que distribui ovo é viagem de ácido pura.

No final a Páscoa acaba virando uma grande desculpa pra comer mais chocolate do que o normal, comer comida de coco (pelo menos é o que mais rola por aqui) e beber vinho, que você pode dizer que bebeu em homenagem ao falecimento de um cara muito brother. Ou simplesmente deixar tudo isso chegar sem se preocupar com motivos e desculpas. Aproveite o feriado que pelo menos a sexta-feira de folga está sempre garantida.

Sem comentários »

É Natal

    25 de Dezembro, também conhecido como Natal é uma das datas mais importantes do nosso calendário. Nesse dia celebramos o aniversário de Jesus, nosso chapa de longa data que ninguém sabe exatamente em que parte do ano nasceu. Celebramos também toda aquela parada de esperança, amor e união que veio junto com o nosso caro messias. Porém o Natal acaba tendo um gosto diferente pra cada um.

    Para alguns o Natal é a desculpa perfeita para reunir todos os parentes, ou pelo menos a maior parte deles. Para outros é a desculpa pra comprar uma tonelada de presentes, caros ou não. Obviamente não podemos esquecer daqueles que aproveitam pra comprar toda sorte de itens de vestuário com o tão esperado décimo terceiro. E tem aqueles que não fazem nada disso e só esperam chegar o pseudo aniversário de Jesus pra poder comer e beber até passar mal, ganhar um ou outro presente dos amigos e parentes mais altruístas e curtir a ressaca do dia 25 sem pressa nem culpa. Outros aproveitam pra replicar a mensagem de amor e união, mesmo quando elas mesmas passam o ano todo sem fazer a menor questão de amar ou se unir com ninguém. E não podemos esquecer das crianças, que são as mais envolvidas pela magia dessa data tão festiva… Ou são simplesmente os que ganham os melhores presentes.

    Natal é tradição. É habito e ritual. Natal é a data onde todos fazem a mesma coisa de todo ano. Sempre existe um ou outro ano em que rola uma exceção, mas sempre voltamos para a configuração padrão e quando menos esperamos estamos lá fazendo charada pra dizer qual tia é a nossa amiga secreta, reclamando do parente que fica perguntando do seu namorado, ou se você e sua noiva marcaram o casamento e de como o filho de fulana é fuleiro por não ter aparecido naquele dia tão especial. Por que se não tivesse nada disso não seria Natal.

    Pra fechar esse texto vou deixar uma musiquinha que combina bem com essa época. E com essa pequena canção o Cachorros de Bikini deseja a todos um feliz Natal.

Sem comentários »

Dia de (Re)Finados

Todo ano é assim, novembro mal começa e já rola feriado. Ao contrário dos demais dias de folga do ano, o primeiro feriado de novembro carrega uma vibe um pouco diferente. Convenhamos que esse feriado em específico tem um ar meio mórbido, afinal ele acaba sendo mais uma data para lembrar do que para celebrar. Talvez seja desnecessário dizer, mas eu estou falando do Dia de Finados.

Não é exclusividade do nosso país ter uma data para lembrar daqueles que já foram. A forma como esse dia é celebrado vária um pouco de país pra país, mas com certeza o feriado fúnebre mais famoso do mundo é o Dia de Los Muertos, uma das maiores festas do México. Quando eu lembro dessa festa duas coisas vêm imediatamente na minha cabeça: a primeira é a Calavera Catrina, sempre retratada como uma morta bastante elegante, e a segunda é como a morte pode ser encarada sob uma perspectiva tão diferente da nossa.

Celebrar os mortos é algo que faz parte do povo mexicano desde antes da chegada dos conquistadores espanhóis. Os antigos Astecas e Maias tinham um ponto de vista em relação à morte bem diferente da nossa. Eles acreditavam que encontrar com seus deuses era uma honra e privilégio, inclusive cabe lembrar dos sacrifícios humanos que eles faziam e que ser escolhido para ser sacrificado era motivo de orgulho. Infelizmente a morte não é encarada de forma tão simples por nós. A perda de uma pessoa querida normalmente é algo pouco agradável e isso é perfeitamente reconhecível, mas sempre fico pensando em como seriam as coisas caso pensássemos diferentes.

Imagino como seria se os enterros fossem sempre grandes festas, com os falecidos em trajes de gala em um evento tão grande quanto um casamento, transformando a celebração fúnebre em algo mais refinado. Como seria legal se os funerais vikings virassem moda e todos os pertences fossem queimados junto com seu dono. Não que eu acredite que alguma dessas coisas possam ser usadas pelo defunto na vida eterna, mas o fogo em grandes proporções normalmente tem um efeito estético bastante interessante. Mesmo que não tivesse nada disso seria bom se, quando víssemos alguém partir, nos lembrássemos menos da falta que essa pessoa vai fazer e mais da diferença que ela fez.

Sem comentários »

Contos de Segunda #18

Segunda-feira. Feriado. Feriadão. O sol que fez o mês inteiro levou Robson e sua família inteira para a praia. Estava tudo preparado e planejado: a casa estava alugada, as crianças estavam empolgadas, logo cedo eles estariam a caminho e fugiriam do trânsito. Chegando lá eles encontrariam com o irmão e a cunhada de Robson, que normalmente cuidavam das crianças enquanto Robson e sua esposa podiam descansar. Seria tudo uma maravilha… Se tivesse acontecido como o planejado.

A viagem de ida se mostrou um tormento. Dois acidentes transformaram o trânsito numa amostra grátis do inferno. A casa estava lá, mas o irmão de Robson só poderia chegar no domingo, o que não fazia muita diferença, já que uma chuva torrencial começou no sábado e só terminou na noite do domingo. Se a chuva continuasse na segunda a volta seria antecipada para fugir do transito, mas o sol resolveu sair. Robson acabou ficando pelas crianças e passou o dia tentando se preparar psicológicamente para encarar o caminho de volta.

Segunda-feira. Feriado. Fim de tarde. Alternando a atenção entre o carro da frente e o sol no horizonte, Robson tentava descobrir para onde fora o seu feriado. As crianças dormiam no banco de trás, a esposa dormia no banco da frente enquanto ele tentava se lembrar de algo bom que tenha acontecido nesses dias, não estava tendo muito sucesso . O trânsito estava fluindo melhor do que o esperado, logo logo estariam todos em casa. De alguma forma o fato de algo que era quase certo de dar errado estava dando certo trouxe uma paz que Robson raramente experimentava. Durante     o resto do caminho ele encontrou o feriado que estava procurando.

Sem comentários »