Foi em 2005. Lembro muito bem da comoção gerada, eu mesmo estava bastante animado pra fazer uma coisa inédita na minha vida: ver um filme de Star Wars no cinema. Não era qualquer filme, era a conclusão da nova trilogia, onde finalmente veriamos Anakin Skywalker se trasformar em Darth Vader. Independente dos defeitos do filme, ou da repercussão negativa que a trilogia nova teve entre os fãs, aquela era a despedida de Star Wars no cinema, pelo menos era isso que eu sentia na época.

    O Ano era 2012. Nesse ano recebemos uma notícia que pegou todos de surpresa: Star Wars foi comprado pela Disney. Todos sabiam o que isso significava, todos já podiam sentir o que estava por vir. Só precisávamos saber a data, mas todo mundo já sabia que Star Wars voltaria pro cinema e que não seria pelas mãos de George Lucas.

    Chegamos a dezembro de 2015. Depois de meses de ansiedade, finalmente entrei no cinema para ver mais um filme de Star Wars, com o sugestivo titúlo de O Despertar da Força. Mas eu não estou aqui pra falar sobre o filme. O que me motiva a escrever esse texto foi tudo que eu vi antes. “Despertar”, foi isso que eu vi ao longo de todo o ano de 2015. Durante todo o ano os fãs foram reaparecendo, relembrando uma paixão que estava meio esquecida. Fãs mais jovens ou mais recentes que nunca puderam assistir um universo tão querido nas telas do cinema finalmente teriam sua chance. Não só isso, ao longo de todo o ano muitos se descobriram fãs do universo povoado por Jedis, Siths, palco do conflito épico entre Império e Rebelião. Star Wars despertou dentro de muitos durante esse ano. “Despertar” define bem o que aconteceu esse ano, foi assim que muitos fãs nasceram do dia pra noite, contaminados pela empolgação dos mais antigos e contagiando os mais novos.

Talvez Star Wars seja algo tão singular dentro da cultura pop por isso, por ser algo que acaba passando de geração em geração, que une pessoas de várias idades através de um sentimento único. Foi esse sentimento que os caras do marketing apelidaram de “Força”. Assim como na mitologia dos filmes, algo que nos envolve e nos une. Sabendo disso não é de se admirar a minha felicidade ao ver minha mãe, que viu os primeiros filmes de Star Wars no cinema há mais de 35 anos, junto dos meus primos, que eram pequenos demais pra lembrar da última vez que Star Wars passou no cinema, e dos meus tios e do meu primo mais velho, que acabaram passando pra mim toda essa admiração que tenho pelo universo de George Lucas.

A Força despertou em 2015. Star Wars despertou em 2015. Despertou com uma cara nova, com a cara dos tempos de hoje, com empoderamento feminino e representatividade étnica, em uma galáxia distante que está cada vez próxima de nós. Não sei se alguém esperava algo diferente, mas eu não esperava mais do que o Episódio VII foi. A melhor parte disso tudo é que está só começando.