Cachorros de Bikini

Não é um blog sobre cachorros e bikinis

Tag: Histórias de Detetive

Contos de Segunda #93

A publicação a seguir é uma continuação direta do Contos de Segunda #88.

— Não sei do que está falando, Carmim.

Angela estava sentada na minha frente, na minha cadeira e com os pés sobre minha mesa. Sacou um isqueiro para acender o cigarro surrupiado da minha gaveta.

— Três das pessoas mais ricas da cidade desapareceram nas últimas semanas — puxei uma cadeira. — Agora você aparece dizendo que tentaram te sequestrar, não me parece coincidência.

— Duvido muito que seja, detetive — desdenhou Angela. — Quem são os desaparecidos?

— Willian Doyle, Klaus Gleizer…

— O dono da fábrica de tecidos e o banqueiro — interrompeu ela. — É mais provável uma viagem em segredo com uma amante do que um desaparecimento.

— Talvez, mas com Dominique Loup na lista acabei descartando a hipótese.

Com o susto Angela saltou da cadeira e ficou olhando para mim com os olhos arregalados.

— Dominique desapareceu!?

— Duas semanas antes de Klaus Gleizer.

Angela saiu de trás da minha mesa e começou a andar de um lado para outro. Os dedos tremiam quando o cigarro foi levado à boca para uma longa tragada. Aproveitei a deixa para retornar à minha cadeira. O assento reservado aos visitantes era propositalmente desconfortável.

— Não sabia que era conhecida sua.

— Lembra de quando trabalhou para ela no caso da chantagem? Eu te indiquei para o serviço.

— Então vocês eram próximas?

— Éramos recém chegadas na cidade quando nos conhecemos — ela deu mais um trago no cigarro. — Ela queria ser cantora, eu queria ser atriz. Nós duas nos tornamos artistas, mas eu não virei atriz.

— Nem todos encaram golpes e mentiras como arte, Angela, só os que já te viram em ação.

— Gentileza sua, detetive.

— Quanto tempo faz desde a última vez em que você encontrou com Dominique?

— um mês.

— Notou algo diferente? Ela parecia preocupada com alguma coisa?

— Dominique nunca estava preocupada com nada. A carreira ia bem, o dinheiro estava entrando aos montes e os candidatos a amante só eram mais numerosos do que os candidatos a marido. Ela gosta de ser bajulada, mas acredita demais nessas besteiras de amor verdadeiro. Nenhum desses homens nunca conseguiu nada.

— Algum deles pode ter passado dos limites.

— Dominique andava com um segurança a tiracolo.

— Para alguns isso não é um problema.

— O homem é praticamente um gorila. Dois metros de altura, ex-pugilista e ex-militar. Um problema para qualquer um.

— Então ele é o primeiro da lista de suspeitos.

— Não me importo com sua lista, Carmim. Encontre Dominique e eu dobro o seu pagamento.

— A polícia costuma me pagar muito bem.

— Se isso fosse verdade, teria pelo menos um cigarro decente na sua gaveta.

Angela jogou o cigarro no cinzeiro, pegou a bolsa e partiu sem tocar no assunto da tentativa de sequestro. Livrar a própria pele está tão alto na lista de prioridades dela que só algo muito grave roubaria a atenção disso. Por mais amiga que Dominique fosse, nenhuma amizade poderia ser maior do que o apreço de Angela Bevoir por Angela Bevoir. Algo mais estava acontecendo e ela não ia me dizer. Eu precisava descobrir.

Com todas essas minhocas na cabeça eu telefonei para o número que estava no verso da foto que o chefe de polícia me entregou. A moça que me atendeu forneceu o nome do segurança e contou o pouco que sabia do que aconteceu com o homem. Mario Luppi foi encontrado desacordado em um beco no dia seguinte ao desaparecimento da patroa. Um dos braços estava quebrado, o crânio foi rachado por uma pancada, juntamente com algumas costelas. Depois de alguns dias em coma ele acordou no hospital e estava lá desde então. O horário da visita tinha acabado de começar quando eu coloquei os pés no hospital. Orientado por uma enfermeira adentrei no quarto onde Mario admirava a chuva que batia na janela.

— Boa tarde, senhor Luppi.

— Boa tarde, senhor…

— Pode me chamar de Carmim.

— É por causa das roupas vermelhas?

— Gostos pessoais pouco convencionais costumam gerar essas alcunhas.

— A que devo sua visita, senhor Carmim?

— Estou colaborando com a polícia no caso de desaparecimento da sua patroa e de outras duas pessoas.

O rosto de Mario era um misto de raiva, surpresa e espanto.

— A polícia já fez perguntas demais, senhor. Respondi a todas.

— Algo me diz que a polícia não fez todas as perguntas, pelo menos não todas as perguntas certas.

— Essa investigação não vai dar em nada. Acredite em mim, senhor, a polícia não pode resolver nada.

— Bem, a polícia me contratou para encontrar três pessoas, mas Angela Bevoir me contratou para encontrar sua patroa.

Mario ficou pálido. Aparentemente seria melhor que o próprio diabo tivesse me contratado no lugar de Angela.

— Ela me disse que é uma amiga íntima de Dominique e me ofereceu um bom dinheiro para encontrá-la.

— A senhora Bevoir deve estar se sentindo culpada. Não que ela tenha culpa no sumiço, mas nada disso teria acontecido se ela não tivesse levado a senhorita Loup ao… Não, nada. Esqueça.

— Não precisa me contar muito, Mario. Só precisa me colocar na direção certa. Para onde Angela levou Dominique?

Ele respirou fundo, reuniu coragem e disse baixinho:

— Para o Clube do Inferno.

Contos de Segunda #88

— Puxe uma cadeira, Carmim, a história é meio longa — foi o que o chefe de polícia disse quando eu abri a porta da sala.

Era uma segunda-feira chuvosa de um dos invernos mais gelados dos últimos anos. Eu mal tinha terminado de almoçar quando recebi uma ligação do departamento de polícia. Não quiseram me adiantar nada pelo telefone, mas pediram para aparecer na central assim que possível, de preferência imediatamente. O cheiro ruim chegou às minhas narinas bem antes de eu sair do meu escritório e não melhorou nada depois da minha conversa com o Chefe O’Hara.

— Não estou para histórias longas, Chefe.

— Muito ocupado?

— Bem menos do que eu gostaria, mas algo me diz que o senhor me chamou aqui porque arrumou um problema que está difícil de resolver. Um problema que não é meu, mas vai ser, assim como todos os prejuízos que a resolução desse problema vai trazer.

— Deixe de ser chorão, Carmim — desdenhou o chefe torcendo o rosto em uma careta. — Você sempre foi muito bem remunerado pelos serviços prestados ao Departamento.

— Além de todas as despesas médicas. Da última vez eu fui baleado duas vezes, uma delas por um dos seus homens.

— Nem sempre é possível saber quais dos policiais têm ligação com o crime, detetive, e suas roupas vermelhas também não te ajudam quando alguém precisa decidir em quem atirar.

— Melhor cortar essa discussão e partir logo para o assunto, Chefe.

— Pois bem — disse ele se ajeitando na cadeira. — Imagino que esteja ciente do desaparecimento de algumas pessoas nos últimos tempos.

— Pessoas desaparecem, Chefe. Acontece em todo lugar.

— Já ouviu falar de William Doyle?

— Magnata da indústria têxtil.

— Desaparecido há cinco semanas — disse O’Hara colocando a foto do desaparecido sobre a mesa. — Lembra de Dominique Loup?

— A cantora? Ela estava sendo vítima de chantagem e me contratou para descobrir quem era o chantagista.

— Três semanas atrás ela cantou na rádio e errou o caminho quando voltava para casa — mais uma foto sobre a mesa. — Não foi vista desde então. Imagino que conheça Klaus Gleizer.

— Não costumo me relacionar com banqueiros, mas sei bem quem é.

— Desapareceu na semana passada — outra foto sobre a mesa.

— Pensei que os ricaços só desapareciam quando sequestrados.

— Não é o caso, Carmim. Não houve nenhum contato posterior ao desaparecimento.

— A polícia sabe onde eles desapareceram?

— Não. Os três circulavam por áreas bem distintas da cidade e não encontramos nenhuma ligação entre eles.

— Alguma informação útil das famílias?

— Doyle é viúvo e nunca teve filhos, Dominique aparentemente cortou ligações com a família quando decidiu seguir a carreira artística, quem nos procurou foi o seu empresário.

— E Klaus Gleizer?

— A família toda vive na Europa e a diretoria do banco optou por manter o desaparecimento em segredo por enquanto. Eles imaginam que tudo se resolverá em poucos dias.

— Alguma notícia de outros desaparecimentos em circunstâncias similares?

— Até agora não.

— Infelizmente não vou poder cobrar o valor de sempre. Esse caso tem cara de que vai dar muito trabalho ou muita dor de cabeça.

— Considere um aumento de vinte por cento. Estou sendo pressionado por todos os lados por causa desses desaparecimentos.

— Algum dos seus vai me auxiliar?

— Me aponte um culpado e vai ter todo o auxílio que precisar.

Provavelmente algum auxílio médico.

— Darei notícias assim que possível — me levantei ainda no meio da frase. — Se importa se eu ficar com as fotos?

— De forma alguma. Pedi para colocarem algumas informações úteis no verso. Não posso fornecer nossos arquivos, mas não vou te deixar às cegas.

— Não esperava menos do senhor.

Na verdade eu esperava bem mais, sempre se espera bem mais da polícia.

A volta para o escritório foi rápida. As informações dadas pelo Chefe O’Hara estavam se batendo sem rumo dentro do meu cérebro e eu precisava começar a ligar os pontos, mas não antes de dar alguns telefonemas. Uma busca minuciosa na casa dos desaparecidos e as coisas começariam a fazer sentido. Entrei no prédio, subi alguns lances de escada e parei diante da porta entreaberta. Saquei a pistola e tentei ver algo pela brecha da porta. Não pude ver nada, mas o perfume que eu senti me fez guardar a arma, mas não me deixou mais tranquilo. Abri a porta devagar e encarei a mulher que me esperava sentada na minha cadeira com os pés sobre a mesa.

— Precisa de trancas melhores, Carmim.

— Trancas boas não me dizem quando alguém arromba meu escritório, Angela. Pensei que não gostasse de vir aqui, você costuma ligar.

Angela Bevoir era um dos maiores problemas da minha vida e também uma boa cliente. Normalmente o pagamento compensava a dor de cabeça, mas só a dor de cabeça.

— Não gosto. A localização é péssima, a limpeza é no mínimo questionável e os degraus são muito altos, mas o assunto é urgente.

— E qual seria?

— Ontem eu quase fui sequestrada — disse ela acendendo um cigarro. — Quero saber o porquê. Pode me ajudar?

— Depende.

— Do quê?

— Do quanto você sabe sobre a nova moda entre os ricaços da cidade.

— E qual seria?

— Desaparecer.

 

Contos de Segunda #41 – Parte 02

Para ler o início dessa história é só dar uma lida em Contos de Segunda #29 e Contos de Segunda #32. Para ler a primeira parte desse conto, é só clicar no link e ler Contos de Segunda #41 – Parte 01.

O táxi até o jockey club consumiu praticamente tudo que restava na minha carteira. Segunda-feira não costumava ser um dia movimentado, os páreos principais aconteciam normalmente no domingo. No máximo alguma categoria amadora ou juvenil competiria naquele dia. Diante do fraco movimento imaginei que seria fácil conversar com alguém que trabalha na bolsa de apostas. Passava um pouco do meio-dia e o tempo estava correndo. Angela dependia de mim para comprovar a sua inocência.

    Não demorou muito para encontrar a bolsa de apostas. Vários nichos protegidos por grades de ferro. Não era muito diferente de uma bilheteria. A maioria dos guichês estava fechada, apenas um estava aberto. Um funcionário operava uma máquina calculadora e não parecia notar a minha presença.

    — Boa tarde — tentei parecer o mais gentil que o meu estômago faminto me permitiu.

    — Boa tarde, senhor. Hoje as apostas estão fechadas, voltamos só na quarta-feira.

    — Não estou aqui para apostar, meu caro. Estou aqui por causa de um apostador.

    — Não costumamos trabalhar com informações de nossos apostadores, senhor — uma resposta tão metódica e desprovida de emoção deixava claro a falta de suspeita daquele homem.

    — Vou ser bem direto. Preciso saber sobre alguém que ganhou alguma quantidade de dinheiro fora do comum nos últimos dias.

    — Infelizmente, senhor, nenhuma quantidade de dinheiro é considerada fora do comum na nossa bolsa de apostas. E de qualquer forma, eu não costumo ver os apostadores que vêm reclamar seus prêmios maiores.

    Aquilo teria me deixado encurralado, mas meu cérebro não me deixou na mão daquela vez.

    — Imagino que os apostadores mais antigos daqui se conheçam.

    — Creio que sim, principalmente os que costumam ganhar pouco.

    — Algum desses está por aqui hoje?

    — Não… Mas todos eles são conhecidos de Gregório. Gregório é o responsável pela manutenção dos estábulos. Todos vão atrás dele tentando conseguir uma dica valiosa. Você sabe, algum jóquei doente ou um cavalo que esteja mais cansado do que o normal.

    — Agradeço pela atenção, meu amigo. Boa tarde.

    Estábulos. Talvez a única área do jockey que funcionava sete dias por semana. Alguns cavalos ficavam aqui a semana toda, outros só chegavam para as provas, mas nenhum deles entrava ou saía sem que Gregório soubesse. Não foi difícil de vê-lo assim que cheguei. Um homem corpulento com mais ou menos sessenta anos estava dando uma bronca em um jovem de uns quinze anos. Aparentemente o proprietário de um dos cavalos estava insatisfeito por culpa dele. Esperei Gregório ficar sozinho para me aproximar.

    — Boa tarde, senhor. Imagino que seja Gregório?

    — Quem deseja? — ele parecia desconfiado, mas nem por isso menos cortês.

    — Pode me chamar de Carmim. Sou um investigador particular e estou trabalhando em um caso de desaparecimento.

    — Bem, senhor… Carmim, certo? Não sei como ajudá-lo, como pode ver eu só cuido dos estábulos e não me recordo de nenhum conhecido meu que tenha desaparecido.

    — Estou tentando encontrar Humberto Solini. Soube que ele costuma apostar por aqui. Ouvi falar que o senhor conhece os apostadores mais antigos daqui.

    — A segunda afirmação está correta, a primeira… Nem tanto — ele não parecia querer se esquivar do assunto, parecia mais que ele só estava me esperando perguntar.

    — E por que não estaria?

    — Solini não é só um apostador. Ele é dono de um dos melhores cavalos de corrida da região.

    — Então ele deve gostar de apostar no próprio cavalo.

    — Normalmente é isso que acontece, mas Solini não gostava de apostar quando o cavalo dele estava correndo. Você deve saber que apostar em um cavalo que vence quase sempre não paga muito bem. Isso ficava pros amigos dele. Eles sempre vinham aqui me perguntar dos outros cavalos do páreo.

    — Solini nunca apostava no páreo do próprio cavalo?

    — Nunca é um pouco exagerado, ele apostava às vezes. Outras vezes ele apostava nos cavalos concorrentes. Sempre aparece algum campeão regional pra correr por aqui. Ele fez isso nesse último sábado, apostou em um outro cavalo. Um azarão como eu nunca vi. Primeiro páreo dele e ganhou com um pescoço de vantagem. O cavalo de Solini ficou em terceiro. O jóquei dele não estava bem, morreu no sábado — mais um corpo na pilha.

    — E os amigos de Solini?

    — Não lembro deles por aqui.

    — Soube de alguém que perdeu muito dinheiro com essa corrida?

    — Não lembro de tanta gente perdendo dinheiro em um páreo. Era uma barbada, o cavalo de Solini era o melhor de todos, sem sombra de dúvida. Deve ter perdido por causa do jóquei. Solini devia saber, por isso apostou em outro cavalo.

    — Depois disso imagino que não tenha ouvido falar mais nada sobre Solini.

    — Nada… Mas talvez você consiga saber alguma coisa com o pessoal que vai levar o cavalo dele. Eles normalmente chegam em dia de segunda — ele conferiu o relógio. — Devem chegar a qualquer momento.

    — Qual o nome do cavalo?

    — Cubano.

    — Muito obrigado, Gregório.

    Finalmente um pouco de sorte. Bastava esperar os homens que buscariam o cavalo e segui-los até Solini. Ninguém estava vendendo cachorro quente naquela segunda, o almoço teria que esperar mais um pouco. O relógio marcava duas da tarde quando vieram buscar o cavalo. Não foi difícil me esconder no caminhão sem ser notado. Eu dividiria o compartimento de carga com Cubano, nunca tive afinidade com animais, mas ele me pareceu um cavalo simpático. A viagem foi rápida. Aparentemente Solini estava escondido em uma propriedade nos arredores da cidade. Esperei o cavalo sair e os homens se afastarem. Desci do caminhão e me dirigi para um casarão onde provavelmente Solini estava.

    De fato Solini estava lá. Provavelmente ele teria cooperado comigo e me explicado toda a situação, mas três carros cheios de homens armados e sem nenhuma paciência ou cortesia estacionaram na frente da casa. Ele não teve tempo de falar muita coisa além de…

    — Cuidado!

    A primeira rajada de balas não passou nem perto de acertar. Era só um aviso. Humberto tremia na minha frente, dava pra ver nos olhos do coitado que ele nunca tinha passado por uma situação semelhante. Eu precisava ajudar. Saquei minha pistola. Eu só tinha dois pentes, um deles estava carregando a arma. uma das janelas estava quebrada, me aproximei para espiar lá fora. Sete homens bem vestidos, todos eles armados. Um deles me viu.

    — Jogue a arma pra cá e saia de mãos pra cima, Carmim. Você não tem como fugir.

    — Não atrapalhe nosso serviço e te deixamos sair ileso dessa.

    — Parece que tem algumas pessoas muito irritadas contigo, senhor Solini.

    — Nada disso devia acontecer, estava tudo certo. Se não fosse aquele maldito jóquei.

    — Esqueça o jóquei, precisamos sair daqui. Angela está esperando, ela me contratou para encontrá-lo.

    — Angela? Me esperando? Rá! Aquela desgraçada tem mais culpa nisso do que aquela meia dúzia de capangas lá na frente.

    — Droga, Angela — falei tão baixo que quase não consegui me ouvir. — De todo jeito precisamos sair daqui. Alguma ideia?

    — Eu tenho um carro na garagem lá de trás, um rápido.

    — Acha que consegue fugir sozinho?

    — Não quer vir comigo, senhor?

    — Serei mais útil como distração. Precisa ir direto à polícia. É o único jeito.

    — Mas e o meu dinheiro?

    — Melhor sem dinheiro do que morto — não havia como contra argumentar. Ele saiu correndo pela porta da sala, aparentemente ninguém tinha reparado. Coloquei a cabeça para fora da janela e falei com meus amigos armados. — Tudo bem, eu vou sair. Por favor, não atirem.

    Caminhei lentamente pela porta com as mãos para cima. Os homens tinham total atenção em mim.

    — Onde está Humberto Solini?

    — Não vi esse tal Solini — a mentira não podia falhar. — Quem abriu a porta foi o caseiro… Ele foi baleado e está caído ali no chão.

    — Baleado? — Pelo menos um tinha caído na mentira, os outros cairiam também.

    —O chefe pediu pra não ter ninguém ferido além do Solini — suas palavras expressavam preocupação.

    — Eu sei, eu sei. Vamos dar um jeito.

O ronco de um motor. Um carro esportivo saiu a toda velocidade pela estrada. Os meus novos amigos demoraram um pouco para entender o que estava acontecendo. Aquele que parecia o líder deles deu as ordens.

— Vocês três, entrem na casa, encontrem o dinheiro e não tirem os olhos desse detetive . O resto vem comigo.

Aparentemente eles esqueceram da parte de ficar de olho em mim. Passaram um bom tempo vasculhando o casarão. Tempo suficiente para não me ver entrar no caminhão que trouxe o cavalo e pegar a estrada para longe da perseguição. Meu trabalho havia terminado, agora tudo dependia de Solini.

No dia seguinte os jornais estampavam a história de um rico diretor de um banco que cometeu o erro de apostar contra o próprio cavalo em uma corrida que já tinha resultado definido. Todos aqueles que perderam grandes quantidades de dinheiro na ocasião estavam sendo investigados pela polícia. Aparentemente nenhum detetive que gostava de vermelho corria risco de vida. Eu estava quase aliviado quando o telefone tocou.

— Muito obrigado por nada, Carmim — a mulher no telefone não parecia nem um pouco agradecida.

— De nada, Angela. Da próxima vez que escolher um namorado novo, lembre que não precisa matar o namorado antigo. Bastava se separar, fazem muito disso hoje em dia.

— Não precisaria me preocupar com isso se um certo detetive não gostasse de planejar fugas.

— Da próxima vez arrume capangas mais eficientes.

— Ah, Carmim. Você não cansa de me maltratar, não é?

— Digo o mesmo, Angela. Digo o mesmo.

O telefone bateu de leve no gancho. Angela me mataria se pudesse, mas a lista de corpos já estava grande demais. A polícia não tinha descoberto a ligação dela com os assassinatos, provavelmente nunca descobriria. Mas ela ficaria com um bom pedaço do dinheiro recuperado de Solini. Apesar de tudo isso um envelope chegou na minha caixa de correio. A caligrafia do remetente era inconfundível. Angela podia estar furiosa comigo, mas pelo menos ela me pagou pelo serviço. Nada mal para uma segunda-feira de trabalho.

Contos de Segunda #41- Parte 01

O conto a seguir é uma continuação direta da história de Carmim, o detetive particular que já apareceu  em Contos de Segunda #29 e Contos de Segunda #32.

A lista de corpos desse caso estava me deixando preocupado. Primeiro o marido de Angela, Emilio Zappa, é misteriosamente assassinado. A última pessoa que viu Emilio com vida foi seu colega de trabalho, Humberto Solini, desaparecido desde então. O amor de Humberto por charutos e apostas provavelmente daria uma pista de seu paradeiro, mas o homem que vendia os charutos importados para Solini, o velho Mendez, também foi assassinado.

Você não sabe no que está se metendo, detetive

A frase ainda martelava na minha cabeça. Precisava resolver aquilo rápido, antes que meu corpo fosse o próximo a aparecer sem vida. Cadáveres sempre costumavam render pistas frias, mas eu tinha um pressentimento de que o de Mendez tinha deixado um rastro ainda quente. Resolvi fazer uma visita ao estabelecimento do falecido.

A loja de artigos importados não ficava muito longe do hotel. Ela estava bastante movimentada para uma loja com o dono recém falecido. A porta tinha sido presa por um peso. Imagino que os clientes costumeiros tenham aparecido para prestar condolências. Mas quem estava recebendo as condolências de todas essas pessoas? Um homem saiu de dentro da loja. Usava camisa com uma gravata, colete e avental. Aparentemente uma espécie de garçom. Sua expressão carregava uma tristeza contida, seus olhos estavam levemente avermelhados, provavelmente devido ao choro recente, ou a uma noite mal dormida.

— Bom dia — precisava parecer o menos informado possível.

— Bom dia, senhor. Infelizmente a loja está fechada.

— Fechada?

— Sim, senhor. O proprietário faleceu ontem, as portas estão abertas para aqueles que eram próximos do senhor Mendez. O filho dele está lá dentro, ele achou melhor receber as pessoas aqui embaixo e não em casa, a senhora Mendez está sofrendo muito. Não me recordo do senhor, mas caso seja um amigo da família, sinta-se a vontade para entrar.

A loja estava menos cheia do que eu esperava. Alguns homens, visivelmente podres de rico, estavam espalhados pelo recinto. Alguns bebiam, todos falavam baixo. Em uma mesa ao fundo estava o filho do velho Mendez. Trinta e poucos anos, olhos frios voltados para o copo de uísque na frente dele. Ele obviamente não estava nada feliz com o falecimento do pai, mas não estava tão triste quanto eu pensei que estaria.

— Meus sentimentos, senhor Mendez. Fiquei surpreso quando soube da notícia.

— Eu gostaria de ter ficado tão surpreso quanto o senhor…

— Pode me chamar de Carmim. Esperava falar com seu pai hoje. Infelizmente isso não é mais possível.

— O conhecia, senhor Carmim?

— Não, mas esperava que ele soubesse algo sobre um cliente dele que desapareceu recentemente. Humberto Solini é o nome dele.

— Senhor Carmim, como eu estava dizendo, gostaria muito que a morte do meu pai fosse uma surpresa. Melhor desistir de encontrar Humberto Solini, caso contrário sua morte também não será uma surpresa.

— Espero que não seja uma ameaça, senhor Mendez.

— É um aviso, Carmim — pela primeira vez os olhos dele encontraram os meus. — Algumas pessoas não devem ser irritadas. Seu amigo Solini deve ter descoberto isso.

— Imagine que eu queira, digamos, irritar algumas pessoas. Por onde deveria começar?

— Gosta de apostas, senhor Carmim?

— Não costumo ter muita sorte com apostas.

— Quem sabe jogar não precisa de sorte… Só de cuidado — ele se levantou, olhou ao redor, aproximou-se de mim e continuou com a voz baixa. — De algumas pessoas não vale a pena ganhar.

— Agradeço pelo aviso.

Sem maiores despedidas deixei aquele homem com seu luto. O relógio já marcava mais de meio-dia. O estômago clamava por um almoço, mas ele teria que se contentar com um cachorro-quente. Mais especificamente com o cachorro-quente do jockey clube. Zappa, Solini e Mendez fizeram uma aposta muito errada… Ou muito certa. A única certeza é de que alguém bem perigoso é um péssimo perdedor.

 

Contos de Segunda #32

O conto a seguir é uma continuação direta da história de Carmim, o detetive particular que apareceu pela primeira vez em Contos de Segunda #29.

Você não sabe no que está se metendo, detetive”. A frase martelava na minha cabeça. Ângela estava metida em coisa grande, dava pra sentir o cheiro do problema de longe. Mas eu não podia me preocupar com isso, a chave de tudo tinha nome: Humberto Solini, o homem que não foi visto depois do assassinato do marido de Ângela. Eu precisava encontrá-lo logo, e já sabia por onde começar.

Lembro de quando Ângela conheceu o marido. Ela tinha uma pista quente sobre um ladrão de joias que estava tirando o sossego da polícia fazia meses. Na época eu estava colaborando com a polícia, Ângela tinha passado por uma rodada de “negociações agressivas” com o tal ladrão e temia pela sua segurança. O esquema com o ladrão era simples, ela recebia as joias roubadas através de um mensageiro. Ia para Lo-Fi, o bar do maior hotel da cidade usando as joias, o comprador aparecia deixava o dinheiro e levava as joias. O mensageiro passava e levava o dinheiro. Na noite em que prendemos o mensageiro Ângela não vendeu nenhuma joia. O comprador apareceu, assim como o mensageiro, mas ela não levou nenhuma joia. Naquela segunda-feira tudo que eu ganhei foi um olho roxo e um tiro que pegou de raspão. Ângela acabou ganhando o coração do comprador. Um ano depois ela estava se casando com Emilio Zappa no salão daquele mesmo hotel. Enquanto eu enchia a cara de vodka no mesmo Lo-Fi que me daria uma pista do paradeiro de Humberto Solini.

O bar estava bem vazio. Era quase hora do almoço e eu procurava pelo meu contato. Cassiano era barman do Lo-Fi há quase dez anos e depois de ter resolvido o caso do desaparecimento da irmã dele, tínhamos nos tornado grandes amigos. Ele estava atrás do balcão servindo algo recém batido para um estrangeiro, aparentemente hospede do hotel.

— Mande o de sempre, Cassiano — me sentei num dos bancos antes de terminar a frase.

— Quase não o reconheço sem o sobretudo vermelho, Carmim.

— O calor não me ajuda a manter o estilo. Pelo menos ainda posso usar chapéu.

— Quem está procurando dessa vez, detetive? — Uma pista sobre um cliente do bar, como pedido de sempre.

— Lembra de Ângela Bevoir?

— Ela arrumou um marido na minha frente, Carmim. E passou a perna em mais uma dúzia dentro dessas paredes.

— Deve saber que o marido dela passou dessa pra melhor.

— Ouvi falar dessa história.

— A morte de Zappa é um caso meio nebuloso. Preciso achar um cara que pode jogar uma luz em cima disso tudo. O nome é Humberto Solini. Todos aqueles cães do banco vivem por aqui. Você deve saber de alguma coisa.

— Eu sei que Solini é apaixonado por duas coisas: charutos e apostas. Se ele está escondido provavelmente não vai ficar muito tempo longe de qualquer uma dessas coisas. Se deram um sumiço nele… Bom, é provável que ele tenha perdido uma aposta bem grande.

— A próxima dose vai ser por conta da casa. — Deixo uma nota de cem em cima do balcão e me levanto.

— Se quiser algo para fumar, detetive, talvez deva visitar o velho Mendez.

Não me virei para ouvir, continuei andando. Não me parecia muito promissor ficar contando os charutos importados, o jockey club era a melhor opção… Pelo menos era o que eu pensava naquele momento. O vento jogou no meu rosto uma página de jornal. O jornal era de ontem e a notícia que tinha acabado de, literalmente, voar no meu rosto tinha como título:

Grande Importador Assassinado ao Sair De Loja”

Algo me dizia que o velho Mendez tinha muito mais a me dizer morto do que tinha quando estava vivo.

Contos de Segunda #29

— Jogue a arma pra cá e saia de mãos pra cima, Carmim. Você não tem como fugir.

    Por esse e outros motivos eu não trabalho nas segundas, sempre acontece alguma coisa assim. Ossos do ofício, ou não, a verdade é que nem tudo são flores na vida de um detetive particular.

    Tudo começou naquela manhã. Apesar do dia nublado fazia um calor dos infernos. Eu estava esperando a ligação do meu contato no escritório do juiz, mas quando o telefone tocou uma voz diferente estava do outro lado da linha.

    — Você nunca conseguiu deixar o telefone tocar muito tempo, não é? — A voz feminina do outro lado da linha era mais do que familiar. As silabas lentas e a voz ligeiramente rouca eram inconfundíveis.

    — Só acontece quando você liga, Ângela, costumo ter pressa para arrumar problemas — eu não estava exagerando, ela nunca ligava quando o assunto não era problema. Algum problema dela que acabava virando problema meu.

    — Não seja tão rude comigo, meu querido, eu não ligaria se não estivesse realmente precisando.

    — Estou ouvindo.

    — Mataram meu marido e a polícia está convencida de que fui eu quem fez o serviço — Eu também pensaria assim se fosse a polícia, afinal não é todo dia que um banqueiro morre e deixa como herdeira apenas sua esposa vinte anos mais nova. Principalmente quando essa esposa é Ângela Bevoir.

    — Você não parece muito triste para uma mulher que acabou de perder o marido.

    — Eu estaria bem menos triste se não corresse o risco de ser presa — a voz dela estava mais séria. — Estou desesperada, Carmim, não tenho mais a quem recorrer.

    — O que você precisa que eu faça, Ângela?

    — Preciso que encontre um homem, Humberto Solini, ele estava com meu marido pouco antes do assassinato. Eles trabalhavam juntos no banco e coincidentemente ninguém tem noticias dele desde o ocorrido. Não deve ser problema pra você.

    — A menos que alguém além de mim esteja procurando pelo sujeito.

    — Creio que não haverá qualquer tipo de complicação… Mas devido ao caráter urgente da situação, quanto antes nossa testemunha for localizada melhor.

    Eu já tinha um nome e uma pista. Peguei o meu chapéu, tranquei a porta e desci as escadas. Olhei minha caixa de correio e lá estava uma foto de Ângela, no verso estava escrito:

Você não sabe no que está se metendo, detetive

    De fato eu não sabia, mas estava começando a ficar interessante. Já sabiam que Ângela ia me procurar, e aparentemente não faz muita diferença se eu aceitei ou não ajudá-la. Dessa vez ela deve ter ido longe demais e acabou me levando junto. Eu não tinha ideia no que eu estava me metendo, mas escapar dessas roubadas sempre era bom para os negócios.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén